1799

5 janeiro - Capitulação de Gaëta, fortaleza na Itália central, na costa do Mar Tirreno. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (4.000 homens sob comando do General de Brigada Rey) sobre a guarnição napolitana (3.600 homens sob comando do Tenente-general Chudi). A guarnição napolitana rendeu-se sem oferecer luta. Os oficiais tiveram autorização para partir em liberdade, mas os soldados foram alistados no Exército Francês.

14/20 fevereiro – Bloqueio e rendição de El Arish, povoação na costa mediterrânica do Egipto. Campanha de Napoleão no Egipto. Vitória dos Franceses (13,000 homens sob comando do General de Divisão Napoleão Bonaparte) sobre as forças egípcias (1,500 albaneses, marroquinos e mamelucos). As forças francesas tiveram perto de 400 mortos e feridos. As forças egípcias sofreram 750 mortos e feridos e tiveram 900 prisioneiros. Os sobreviventes da guarnição da fortaleza foram incorporados no exército francês.

2 março – Capitulação de Corfu, uma ilha ao largo da costa albanesa, à entrada do Mar Adrático. Guerra da Segunda Coligação. O cerco tinha começado a 18 de novembro de 1798. Vitória das forças russas e turcas contra as forças francesas. Não são conhecidos os números relativos a baixas de ambas as partes. No porto de Corfu, as forças russo-turcas capturaram o HMS Leander e o Brune. O primeiro tinha sido capturado aos Britânicos a 18 de janeiro de 1798. O navio britânico foi entregue à “Royal Navy”.

6 março – Combate de Maienfeld, pequena cidade do Cantão de Graubünden, Suíça Oriental. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (5.000 homens sob comando do General de Divisão André Massena) sobre as forças austríacas (4.200 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Franz Xaver von Auffenberg). Início da Campanha da Suíça. As forças francesas sofreram 300 mortos, feridos e desaparecidos. As forças austríacas tiveram 400 mortos e feridos e 1.450 prisioneiros. As forças francesas também capturaram 12 bocas de fogo de artilharia e 4 vagões de munições.

7 março – Combate de Chur, cidade no Cantão de Graubünden, Suíça Oriental. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (9.600 homens sob comando do General de Divisão André Massena) sobre as forças austríacas (2.400 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Franz Xaver von Auffenberg). Desconhece-se o número de mortos e feridos austríacos, mas sabe-se que foram capturados cerca de 1.000 homens e 4 bocas de fogo de artilharia.

7 março - Combate de Feldkirch, pequena cidade na parte ocidental da Áustria. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (9.000 homens sob comando do General de Divisão Nicolas-Charles Oudinot) sobre as forças austríacas (2.400 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Johann Conrad Friedrich von Hotze). Numericamente superiores, com mais experiência e melhor disciplina, os Franceses derrotaram facilmente os Austríacos. As tropas francesas perderam 100 homens, mortos e feridos. Dos Austríacos não se conhecem as baixas, mas foram capturados 1.000 homens e 4 bocas de fogo de artilharia.

7 março - Ataque a Haifa, cidade fortificada na atual costa mediterrânica de Israel. Campanha de Napoleão ao Egipto. Vitória das forças francesas (18.000 homens sob comando de Napoleão Bonaparte) sobre a guarnição otomana (4.600 homens). As forças francesas tiveram baixas ligeiras. A guarnição otomana teve 2.000 mortos e 2.600 prisioneiros. Por ordem de Napoleão, esses prisioneiros foram todos fuzilados nos dias 8, 9 e 10 de março.

12 março – Batalha de Ponte d’Alto, um lugarejo na Suíça Oriental. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (cerca de 2.600 homens sob comando do General de Divisão Claude-Jacques Lecourbe) sobre as forças austríacas (cerca de 3.300 homens sob comando do General Major Johann Ludwig Alexius von Loudon). As forças francesas tiveram 60 mortos e feridos. As forças austríacas tiveram 200 mortos e feridos e 1.250 capturados.

14 março - Primeiro combate de Martinsbrück, aldeia da província austríaca do Tirol (hoje chama-se Martina). Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (cerca de 4.600 homens sob comando do General de Divisão Claude-Jacques Lecourbe) sobre as forças austríacas (2.600 homens sob comando do General Major Johann Ludwig Alexius von Loudon). As baixas dos Franceses não são conhecidas, mas o General de Brigada Maynoni foi capturado. Também não se conhece o número de mortos e feridos austríacos, mas sabe-se que foram capturados 610 homens.

17 março – Segundo combate de Martinsbrück, aldeia da província austríaca do Tirol (hoje chama-se Martina). Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (6.500 homens sob comando do General Major Johann Baptist Alcaini) sobre as forças francesas (cerca de 5.300 homens sob comando do General de Divisão Claude-Jacques Lecourbe). Embora as forças francesas tenham sido reforçadas, tropas austríacas recém-chegadas permitiram constituir um corpo mais numeroso. Os Franceses tiveram 12 mortos, 130 feridos e 286 capturados. Os Austríacos tiveram cerca de 200 mortos, feridos e desaparecidos.

17 março - Início do Cerco de Acre, cidade portuária fortificada na costa israelita, na zona norte da baía de Haifa. Campanha de Napoleão no Egipto. As forças francesas (12.000 homens sob o comando do General de Divisão Napoleão Bonaparte Napoleão) iniciaram o cerco da fortaleza de Acre. A guarnição da fortaleza (5.000 turcos apoiados por cerca de 200 homens da “Royal Marines” e marinheiros da pequena frota britânica) resistiram às investidas das forças francesas. O cerco durou até 21 de maio.

21 março - Combate de Ostrach, aldeia no sudoeste da Alemanha, a sul do Rio Danúbio. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (26.000 homens sob comando do Arquiduque Carlos da Áustria) sobre as forças francesas (28.000 homens sob comando do General de Divisão Jean-Baptiste Jourdan). As forças francesas tiveram 400 mortos, 1.600 feridos e 2.000 capturados. As forças austríacas tiveram 500 mortos, 1.100 feridos e 650 capturados.

23 março - Segundo Combate de Feldkirch, pequena cidade na província austríaca de Vorarberg. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (5.500 homens sob comando do General Major Franz Jellachich de Buzim) sobre as forças francesas (12.000 homens, parte do “Armée du Danube”; não se conhecem detalhes). As forças francesas tiveram 3.000 mortos e feridos. As forças austríacas tiveram 900 mortos, feridos e desaparecidos.

25 março - Combate de Nauders, pequena aldeia no vale superior do Rio Inn, no sudoeste da Áustria. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das orças francesas (4.000 homens sob comando do General de Divisão Claude-Jacques Lecourbe) sobre as forças austríacas (cerca de 3.000 homens sob comando do General Major Johann Baptist Alcaini).  As forças francesas tiveram 300 mortos, feridos e desaparecidos. As forças austríacas tiveram 500 mortos e feridos e foram capturados 1.450 além de seis bocas de fogo de artilharia.

25 março - Primeiro Combate de Tauffers, uma aldeia no norte de Itália, sul do Tirol. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (cerca de 5.000 homens sob comando do General de Divisão Jean Joseph Dessolles) sobre as forças austríacas (cerca de 6.500 homens sob comando do General Major Johann Ludwig Alexius von Loudon). Perto de 5.000 austríacos depuseram as armas e renderam-se. Esta ação durou apenas meia-hora. Apenas 409 homens e o comandante austríaco conseguiram escapar. As forças francesas tiveram 60 mortos e 200 feridos. As forças austríacas tiveram 600 mortos e feridos e 4.654 capturados além de 18 bocas de fogo de artilharia.

25/26 março - Batalha de Stockach, cidade no sudoeste da Alemanha. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (38.000, sob o comando do General de Divisão Jourdan) sobre as forças austríacas (46.000, sob o comando do Arquiduque Carlos da Áustria). As forças francesas tiveram 400 mortos, 1.600 feridos e 2.000 capturados. As forças austríacas tiveram 500 mortos, 2.400 feridos e 2.900 capturados.

26 março - Combate de Pastrengo, aldeia do nordeste de Itália, na margem ocidental do Rio Adige, a noroeste de Verona. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (22.400 homens sob comando do General de Divisão Barthélemy Louis Joseph Schérer) sobre as forças austríacas (11.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Franz Anton von Elsnitz). As forças francesas tiveram cerca de 1.000 mortos, feridos e desaparecidos. As forças austríacas tiveram 2.000 mortos e feridos e 1.500 capturados. Além destas baixas, os austríacos perderam 12 bocas de fogo de artilharia e dois conjuntos de pontões.

26 março - Combate de Verona, Itália. Guerra da Segunda Coligação. Combate de resultado indeciso entre as forças da França e da Sardenha (14.500 homens sob comando do General de Divisão Jean Victor Marie Moreau) e as forças austríacas (16.400 homens sob comando do “1Feldmarschalleutnant” Johann Konrad Valentin von Keim). As forças francesas e sardenhas tiveram 1.500 mortos e feridos e 300 capturados além de terem perdido 3 bocas de fogo de artilharia. As forças austríacas tiveram 1.600 mortos e feridos e 1.100 capturados.

26 março - Combate de Legnano, aldeia no nordeste de Itália, na margem ocidental do Rio Adige, a 42 Km a Leste de Mântua. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (14.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Paul von Kray) sobre as forças francesas (9.500 homens sob comando do General de Divisão Joseph Hélie Désiré Perruquet de Montrichard). As forças austríacas tiveram 700 mortos e feridos e 100 capturados. As forças francesas tiveram 2.000 mortos e feridos e 600 capturados e também perderam 14 bocas de fogo de artilharia.

30 março - Combate de Parona, aldeia no nordeste da Itália, na margem oriental do Rio Adige, 5 Km a noroeste de Verona. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (6.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Paul von Kray) sobre as forças francesas (7.000 homens sob comando do General de Divisão Jean Mathieu Philibert Sérurier). As forças francesas tiveram 400 mortos e feridos e 1.700 foram capturados. As forças austríacas tiveram 400 mortos, feridos e desaparecidos.

3 abril - Combate de Abaud, aldeia na margem direita do Nilo, Egito. Campanha de Napoleão no Egito. Vitória das forças francesas (1.000 homens sob comando do General de Brigada Augustin-Daniel Belliard) sobre as forças egípcias (3.350 homens). As forças francesas tiveram 60 mortos e 60 feridos. As forças egípcias tiveram 280 mortos.

3 abril - Massacre de Quena, aldeia perto de Tebas, junto ao Rio Nilo, Egito. Campanha de Napoleão no Egito. O cruzador “L'Italie”, no Rio Nilo, sob comando do Capitão Morandi, com 200 marinheiros e 60 homens de infantaria, transportava também 300 doentes e feridos. Uma força de 2.000 homens de infantaria sob comando do Sherife Hassan, de Meca, atacou o cruzador. Todos os franceses foram mortos. Não se conhecem as baixas dos egípcios, mas sabe-se que foram muito ligeiras.

4 abril - Segundo Combate de Tauffers, povoação no norte de Itália, sul do Tirol. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (10.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Heinrich Joseph Johannes von Bellegarde) sobre as forças francesas (4.600 homens sob comando do General de Divisão Jean-Joseph Dessolles). Desconhece-se o número de franceses mortos, feridos ou desaparecidos, mas foram capturados 400 homens, 3 bocas de fogo de artilharia e 14 carros com equipamentos e munições de artilharia. As forças austríacas tiveram 200 mortos e feridos.

5 abril - Batalha de Magnano, aldeia no noroeste de Itália, 34 Km a noroeste de Milão. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (46.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Paul von Kray) sobre as forças francesas (40.600 homens sob comando do General de Divisão Barthélemy Louis Joseph Schérer). As forças francesas tiveram 3.500 mortos e feridos e 4.500 homens capturados, além de 18 bocas de fogo de artilharia, 40 carros de transporte de abastecimentos e 7 estandartes regimentais. Toda a 1ª “Légion Helvetique” e um batalhão completo da 56ª “Demi-Brigade” de Ligne foram capturados. Os Generais de Brigada Digeon e Rynkiewicz foram mortos em combate. As forças austríacas tiveram 4.000 mortos e feridos e 2.000 capturados. Morreram na batalha o “Feldmarschalleutnant” Conde Mercandin e o General Major Kovacsevics.

8 abril - Início do cerco de Mântua, cidade fortificada no norte de Itália. Guerra da Segunda Coligação. As forças austríacas (atingiram em julho o efetivo de 32.000 homens, sob comando do “Feldzeugmeister” Paul von Kray) cercaram Mântua que estava defendida por uma guarnição francesa (11.000 homens, entre os quais se encontravam as 1ª e 2ª “Légion Helvetique”, a 1ª “Demi-Brigade” Cisalpina e a 2ª Legião Polaca, sob comando do General de Divisão Antoine Henri Armand Jules Élisabeth Latour-Foissac). A guarnição francesa resistiu até ao dia 28 de julho.

16 abril – Combate de Monte Tabor, montanha 11 Km a sudeste de Nazaré, Israel. Campanha de Napoleão no Egipto. Vitória das forças francesas (4.000 homens de infantaria e 16 bocas de fogo de artilharia sob o comando de Napoleão Bonaparte) sobre o exército otomano de Damasco (25.000 homens de cavalaria e 2 bocas de fogo artilharia, sob o comando de Achmed Bey ). As forças otomanas tinham como objetivo obrigar a levantar o cerco de Acre. As forças francesas tiveram 2 mortos e 60 feridos. As forças otomanas tiveram 6 mortos e feridos e 500 capturados.

21 abril - Capitulação de Bréscia, cidade no norte de Itália, situada entre o Lago Garda e o Lago Iseo. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças da Coligação (10.400 homens, austríacos e russos, sob comando do “Feldmarschall” Alexandre Vasilievitch, Conde Suvorov-Rimnisky) sobre a guarnição francesa (1.300 homens com 46 bocas de fogo de artilharia, sob o comando do General Bouzet). As forças francesas tiveram 100 mortos e 330 capturados. As forças da Coligação tiveram 4 mortos e 14 feridos, todos russos.

22 abril – Primeiro Combate de Remüs, aldeia atualmente chamada Ramosch, no Cantão suíço de Graubünden. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (1.300 homens, metade da 3ª Divisão, sob comando do General Claude Jacques Lecourbe) sobre as forças austríacas (1.800 homens sob comando do Major Schmidt). As forças francesas tiveram 2 mortos, 23 feridos e 1 oficial capturado. As forças austríacas tiveram 100 mortos, 120 feridos e 475 capturados.

26 abril – Combate de Lecco, pequena cidade fortificada no Noroeste de Itália. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças russas (3.000 homens sob comando do Príncipe Pyotr Ivanovich Bagration) sobre as forças francesas (5.000 homens sob comando do General Jean Mathieu Philibert Sérurier ). O Príncipe Bagration foi ferido nesta ação em que as forças russas tiveram 385 mortos e feridos. Não se conhece o número de mortos e feridos das forças francesas, mas sabe-se que foram aprisionados 100 homens.

27-28 abril – Batalha de Vaprio e Cassano, aldeias no Noroeste de Itália, junto ao Rio Adda. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças russas e austríacas (24.500 homens sob comando do General Alexander Vasilyevich Suvorov) sobre as forças francesas (28.000 homens sob comando do General Jean Victor Marie Moreau). As forças francesas tiveram2.500 mortos e feridos e foram capturados 5.000 homens, 27 bocas de fogo de artilharia, 12 veículos e 3 estandartes. As forças da Coligação tiveram 2.000 mortos, feridos e desaparecidos.

28 abril – Combate de Verderio, povoado no Noroeste de Itália, nas proximidades do Rio Adda. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas e russas (desconhecem-se os efetivos, mas conhece-se o número de unidades: 8 ½ batalhões de infantaria, 8 esquadrões de cavalaria e um regimento de cossacos; comando do “Feldmarschalleutnant” Joseph Philipp von Vukassovich) sobre as forças francesas (3.000 homens sob comando do general Jean Mathieu Philibert, conde de Sérurier). As forças francesas tiveram 252 mortos e 2.700 capturados, nos quais se incluíam os feridos; também perderam 8 bocas de fogo de artilharia. As baixas das forças da Coligação não são conhecidas, mas sabe-se terem sido moderadas.

30 abril – Início do Bloqueio de Milão, a mais importante cidade do Norte de Itália. Guerra da Segunda Coligação. As forças austríacas (3.000 homens sob o comando do General Major Friedrich Franz Xaver, Conde de Hohenzollern-Hechingen) iniciaram o bloqueio a Milão onde se encontrava uma guarnição francesa (2.000 homens com 119 bocas de fogo de artilharia, sob o comando do General de Brigada Jean-Pierre Béchaud). A guarnição francesa capitulou no dia 24 de maio.

30 abril – Segundo Combate de Remüs, aldeia atualmente chamada Ramosch, no Cantão suíço de Graubünden. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (8.000 homens sob comando “Feldzeugmeister” Heinrich Joseph Johannes, conde de Bellegarde) sobre as forças francesas (4.000 homens sob comando do General de Divisão Jean Jacques Lecourbe). As forças francesas tiveram 52 mortos, 371 feridos e 87 desaparecidos. As forças austríacas tiveram 600 mortos, 1.500 feridos e 600 capturados.

1 maio – Segundo combate de Maienfeld, pequena cidade no cantão suíço de Graubünden, imediatamente a sul do Principado de Liechtenstein. Imediatamente a norte da cidade, existe uma passagem na montanha que se chamava então Santo Luciensteig (hoje Luzisteig). Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (8.000 homens sob o comando do General de Divisão Philippe Romain Ménard ) sobre forças austríacas (6.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Friedrich von Hotze). As forças francesas perderam cerca de 400 homens e as forças austríacas tiveram 600 mortos e feridos além de 2.000 capturados.

1 maio – Combate de Bani Rafi , aldeia no Egito, a ocidente do Nilo, 30 Km a noroeste de Assiut. Campanha de Napoleão no Egito. Vitória das forças francesas (efetivos desconhecidos, sob comando do General de Divisão Louis Nicolas Davout) sobre as forças egípcias (cerca de 2.000 homens). As forças francesas tiveram 8 mortos. As baixas das forças egípcias terão sido pesadas, mas não se conhecem os números.

2 maio – Combate de Such, pequena aldeia na parte oriental da Suíça, na parte superior do vale do Inn. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (12.000 homens, parte da divisão sob comando do “Feldmarschalleutnant” Heinrich Joseph Johannes von Bellegarde) sobre as forças francesas (7.600 homens sob comando do General de Divisão Claude-Jacques Lecourbe). As forças francesas tiveram 20 mortos, 172 feridos e 56 capturados. As baixas austríacas foram ligeiras.

6 maio – Capitulação de Peschiera, fortaleza na ponta sul do Lago Garda, Norte de Itália, junto ao Rio Mincio. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (cerca de 8.000 homens sob comando do Feldzeugmeister Paul von Kray) sobre a guarnição francesas (1.200 homens, 90 bocas de fogo de artilharia, 18 canhoneiras, sob comando do Coronel Coutheaux). O comandante da guarnição francesa rendeu-se sem que se verificassem quaisquer baixas de ambas as forças. Toda a guarnição da fortaleza foi libertada e encaminhada para França com a condição de não voltarem a combater contra as forças da Coligação.

9/11 maio – Cerco e capitulação de Pizzighettone, aldeia do Norte de Itália. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (cerca de 3.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Johann Konrad Valentin von Kaim ) sobre a guarnição francesa (1.500 homens e 97 bocas de fogo de artilharia). O comandante francês rendeu-se após um dia de cerco. As forças austríacas não sofreram baixas e a guarnição francesa foi capturada.

12 maio – Combate de Bassignana, aldeia no Nordeste de Itália, a cerca de 18 Km de Alessandria. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (12.000 homens sob comando do General de Divisão Jean Victor Marie Moreau) sobre as forças russas (3.500 homens sob comando do “General der Infanterie”, austríaco, Príncipe Franz Seraph of Orsini-Rosenberg). As forças francesas tiveram 600 mortos, feridos e desaparecidos. As forças russas tiveram 333 mortos, 659 feridos e 300 capturados.

14 maio – Terceiro Combate de Maienfeld, pequena cidade no Cantão de Graubünden, Suíça. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (10.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Johann Conrad Friedrich von Hotze) sobre as forças francesas (8.000 homens sob comando do General de Divisão Philippe Romain Ménard ). As forças austríacas tiveram 1000 mortos, feridos e desaparecidos. As forças francesas, além de 300 mortos e feridos e 3.100 capturados, perderam 15 bocas de fogo de artilharia e 22 carros de munições.

16 maio – Combate de Marengo, aldeia perto de Alessandria, no Noroeste de Itália. Guerra da Primeira Coligação. Vitória das forças da Coligação (16.500 homens, austríacos e russos, sob o comando do General de Infantaria Príncipe Pyotr Ivanovich Bagration) sobre as forças francesas (8.000 homens sob o comando do General de Divisão Jean Victor Marie Moreau). As forças francesas tiveram 500 mortos, feridos e desaparecidos. As forças da Coligação tiveram 124 mortos e 330 feridos.

21 maio  – Levantamento do cerco de Acre, cidade portuária fortificada na Síria Otomana, atualmente na costa de Israel. Campanha de Napoleão no Egipto. O cerco teve início a 17 de março de 1799. Vitória das forças anglo-turcas sobre as forças francesas. Estas perderam 4.000 homens, grande parte devido a doença. Ao retirarem abandonaram no terreno 23 bocas de fogo de artilharia de campanha e um trem de cerco completo.

24 maio – Capitulação de Milão, a mais importante cidade do Norte de Itália. Guerra da Segunda Coligação. Os Austríacos iniciaram o bloqueio de Milão a 30 de abril. A guarnição francesa capitulou ao fim de 25 dias de resistência. Após deporem as armas e jurarem não voltar a combater contra as forças da Coligação durante um ano, a guarnição teve autorização para regressar a França. As forças austríacas sofreram 14 mortos e 22 feridos.

24 maio – Capitulação de Ferrara, cidade no nordeste de Itália. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (cerca de 3.000 homens com 10 bocas de fogo de artilharia, sob comando do General Major Johann Joseph Cajetan Conde de Klenau e Janowitz) sobre as forças francesas (guarnição de 1.500 homens com 75 bocas de fogo de artilharia, sob comando do Coronel Lapouant). A guarnição francesa depôs as armas e partiu em liberdade com a condição de, nos seis meses seguintes, não lutarem contra as forças da Coligação. Não houve baixas em ambas as partes, mas os estandartes de três batalhões franceses ficaram na posse das forças austríacas.

24 maio – Capitulação de Ravena, cidade fortificada no nordeste de Itália. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas sobre a guarnição francesa. Não se conhecem os detalhes de ambas as forças no que respeita aos efetivos, à composição da força ou às baixas registas nesta ação.

25 maio – Combate de Frauenfeld, cidade no norte da Suíça. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (23.000 homens, parte do “Armée du Danube” sob comando do General de Divisão André Masséna) sobre as forças austríacas (6.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Johann Konrad Friedrich von Hotze). As forças francesas tiveram 230 mortos e feridos e foram capturados 570. As forças austríacas tiveram 750 mortos e feridos e foram capturados 1.450 homens, 2 bocas de fogo de artilharia e 1 estandarte.

27 maio – Combate de Winterthur, cidade no norte da Suíça. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (8.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Johann Conrad Friedrich von Hotze) sobre as forças francesas (7.000 homens sob comando do General de Divisão Michel Ney). As forças austríacas sofreram 1.000 mortos, feridos e desaparecidos. As forças francesas perderam 800 homens e 4 bocas de fogo de artilharia.

29 maio – Combate de Muotathal, pequena cidade na Suíça central. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (cerca de 7.000 homens sob comando do General de Divisão Claude-Jacques Lecourbe) sobre as forças austríacas (cerca de 1.760 homens sob comando do “Feldmarschall” Rovéréa). As baixas francesas foram ligeiras, mas não se conhecem os números. As forças austríacas tiveram 50 mortos, 200 feridos, 200 capturados e perderam a sua artilharia (duas bocas de fogo).

29 maio - Combate de Urseren, cadeia montanhosa na Suíça central. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (6.300 homens sob comando do coronel Conde de St. Julien) sobre as forças francesas (3.300 homens sob comando do General de Divisão Louis Henri Loison). As forças austríacas tiveram 200 mortos, feridos e desaparecidos. As forças francesas tiveram 29 mortos, 168 feridos e 467 capturados.

31 maio – Combate de Wasen, aldeia na Suíça central. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (cerca de 8.000 homens sob comando do General de Brigada Louis Henri Loison) sobre as forças austríacas (8.000 homens sob comando do Coronel Conde de St. Julien). As forças francesas tiveram 10 mortos e 167 feridos. As forças austríacas tiveram 120 mortos, 650 feridos e 1.640 capturados.

4/7 junho – Primeira Batalha de Zurique, cidade no norte da Suíça. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (cerca de 53.000 homens sob comando do “Feldmarschall” Carl Ludwig Johann Joseph Laurentius von Österreich, Arquiduque Carlos da Áustria) sobre as forças francesas (45.000 homens sob comando do General de Divisão André Massena). As forças austríacas tiveram 730 mortos, 1.470 feridos e 2.200 capturados. As forças francesas tiveram 500 mortos, 800 feridos, 300 capturados e também perderam 28 bocas de fogo de artilharia. Os números apresentados não são consensuais.

11 junho – Início do Cerco de Turim, cidade no noroeste de Itália. Guerra da Segunda Coligação. As forças austríacas (cerca de 6.500 homens com 126 bocas de fogo de artilharia de cerco, sob comando do “Feldmarschalleutnant” Johann Konrad Valentin von Kaim) puseram cerco à cidade de Turim onde existia uma guarnição constituída por 3.000 homens das tropas francesas e sardenhas. O cerco manteve-se até 20 de junho, data da capitulação da cidade.

12 junho – Combate de Modena, cidade no noroeste de Itália. Guerra da Segunda Coligação. Cidade no nordeste de Itália. Vitória das forças francesas (cerca de 29.000 homens sob comando do general de Divisão Étienne Macdonald) sobre as forças austríacas (cerca de 4.300 homens sob comando do General Major Friedrich Franz Xaver de Hohenzollern-Hechingen). As forças francesas tiveram 400 mortos e feridos e 200 capturados. O general Macdonald foi ferido. As forças austríacas tiveram 750 mortos e feridos e 1.650 capturados. Também perderam 8 bocas de fogo de artilharia e 3 estandartes.

14/15 junho – Ataque e capitulação de Nápoles, cidade portuária na costa ocidental italiana. Guerra da Segunda Coligação. A guarnição de Nápoles era formada por cerca de 2.800 homens, napolitanos e franceses, principalmente napolitanos. Não se conhece a identidade dos comandantes. Não se conhece a dimensão das forças monárquicas que foram ajudadas por uma frota de 3 navios da “Royal Navy”. As tropas britânicas tiveram baixas muito ligeiras. A guarnição dos fortes de Nápoles capitulou sob condição de seguirem para França. As condições da capitulação foram ignoradas e, após a chegada do Almirante Horatio Nelson (24 de junho) e do Rei Fernando de Nápoles (8 de julho) foram todos executados.

17/20 junho – Batalha do Rio Trebbia, tributário do Rio Pó, com o ponto de confluência junto à cidade de Piacenza. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças da Coligação (20.000 homens, austríacos, mais 17.000 russos, sob comando do Marechal de Campo Alexander Vasilyevich Suvorov) sobre as forças francesas (33.000 homens sob comando do General de Divisão Étienne Macdonald). As forças da Coligação tiveram 4.059 mortos, feridos e desaparecidos. As forças francesas tiveram 2.000 mortos, 7.500 feridos e 7.000 capturados; também perderam 7 bocas de fogo de artilharia e 8 estandartes.

20 junho – Capitulação de Turim, cidade no noroeste de Itália. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (6.500 homens com 126 bocas de fogo de artilharia de cerco, sob comando do “Feldmarschalleutnant” Johann Konrad Valentin von Kaim ) que tinham posto cerco à cidade a 11 de junho. A guarnição franco-sardenha (3.000 homens sob comando do General de Brigada Pascal Antoine Fiorella) teve 400 mortos e feridos. As forças austríacas capturaram 382 bocas de fogo de artilharia e 40.000 mosquetes, assim como uma grande quantidade de equipamento e abastecimentos.

21 junho  – Batalha de Cascinagrossa ou San Giuliano, aldeia no noroeste de Itália. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (14.000 homens sob comando do General de Divisão Jean Victor Marie Moreau) sobre as forças austríacas (8.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Heinrich Joseph Johannes von Bellegarde). As forças francesas tiveram cerca de 1.000 mortos, feridos e desaparecidos. As forças austríacas tiveram 1.000 mortos e feridos e também foram capturados 1.300 homens e 3 bocas de fogo de artilharia.

22 junho – Início do Cerco de Alessandria, cidade fortificada no noroeste de Itália. Guerra da Segunda Coligação. As forças austríacas (cerca de 21.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Heinrich Joseph Johannes von Bellegarde) puseram cerco à cidade que estava defendida por uma guarnição francesa (3.100 homens com 105 bocas de fogo de artilharia, sob comando do General de Brigada Gaspard Amédée Gardanne). A guarnição da cidade resistiu até 22 de julho.

29 junho/11 julho – Cerco e capitulação do Forte de Sant’Elmo, de Nápoles, cidade portuária na costa ocidental da Itália Central. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças da Coligação (cerca de 1.600 homens, marines/fuzileiros britânicos e portugueses, sob comando do “Captain” Troubridge) sobre a guarnição francesa (cerca de 800 homens sob comando do General de Brigada Louis-Joseph, barão de Méjan). A guarnição francesa resistiu 13 dias. Não se conhecem as baixas francesas. A guarnição foi transportada para Toulon em navios britânicos. As forças britânicas e portuguesas tiveram 37 mortos e 84 feridos.

22 julho – Capitulação de Alessandria, cidade fortificada no noroeste de Itália. Guerra da Segunda Coligação. As forças austríacas tinham iniciado o cerco a 22 de junho. A guarnição francesa resistiu durante um mês. No dia da capitulação, as forças francesas tinham perdido 400 mortos e feridos e 2.700 capturados. Também perderam 7.000 mosquetes e 6 estandartes. As forças austríacas tiveram cerca de 400 mortos, feridos e desaparecidos.

25 julho – Batalha de Aboukir, porto fortificado no delta do Nilo, Egito. Campanha de Napoleão no Egito. Vitória das forças francesas (8.000 homens sob comando do General de Divisão Napoleão Bonaparte) sobre as forças turcas (7.000 homens – mamelucos e beduínos – sob comando de Mustafa Paxá). As forças francesas tiveram 1.100 mortos e feridos. As forças turcas tiveram 5.000 mortos, feridos e capturados.

28 julho - Capitulação de Mântua, cidade fortificada no norte de Itália. Guerra da Segunda Coligação. Mântua estava em poder dos Franceses e era defendida por uma guarnição de 11.000. Os Austríacos iniciaram o cerco da cidade a 8 de abril de 1799. À data da rendição as forças francesas e os seus aliados tinham perdido 3.100 homens, mortos em combate, feridos, doentes ou por deserção. As forças austríacas tiveram 2.100 mortos, feridos e desaparecidos.

28 julho – Capitulação de Cápua, cidade fortificada no centro ocidental de Itália. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças da Coligação (1.600 homens – britânicos e portugueses – sob comando do “Captain” Troubridge, da “Royal Navy”) sobre a guarnição francesa (2.200 homens sob comando do General de Brigada Antoine Girardon). Não se registaram baixas. A guarnição francesa teve autorização para se dirigir para França.

1 agosto – Capitulação de Gaëta, fortaleza na costa ocidental italiana, cerca de 60 Km a noroeste de Nápoles. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças anglo-napolitanas (6.000 homens, napolitanos, sob comando do Tenente-general Salandra) sobre a guarnição francesa (cerca de 1.500; não se conhecem detalhes).

5 agosto – Início do Cerco de Tortona, pequena fortaleza no noroeste de Itália. Guerra da Segunda Coligação. As forças austríacas (cerca de 11.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Johann Baptist, Conde de Alcaini ) puseram cerco à fortaleza de Tortona, defendida por uma guarnição francesa (1.200 homens e 75 bocas de fogo de artilharia sob comando do General de Brigada Gast). A guarnição resistiu até 11 de setembro.

13/14 agosto – Combate de Oberwald, aldeia no vale do Ródano, Suíça. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (6.000 homens sob comando do General de Divisão Thar ) sobre as forças austríacas (6.000 homens sob comando do General Major Príncipe de Rohan ). As forças francesas tiveram 500 mortos, feridos e desaparecidos. As forças austríacas perderam 3.000 homens e 2 bocas de fogo de artilharia.

14 agosto – Combate do Passo de Grimsel, passagem montanhosa na Suíça Central. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (cerca de 2.400 homens sob comando do General de Brigada Etienne Gudin) sobre as forças austríacas (cerca de 2.600 homens sob comando do Coronel Strauch). As forças francesas tiveram 60 mortos e feridos. As forças austríacas tiveram 400 mortos e feridos e 500 capturados.

14 agosto – Combate de Schwyz, cidade na Suíça Central. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (cerca de 12.000 homens sob comando do General de Divisão Claude Jacques Lecourbe) sobre as forças austríacas (cerca de 4.600 homens sob comando do General Major Joseph Anton, Barão de Simbschen). As forças francesas tiveram 28 mortos e 140 feridos. As forças austríacas tiveram 195 mortos, 610 feridos e 1.013 capturados, além de 5 bocas de fogo de artilharia perdidas para as forças francesas.

14/16 agosto – Combates de Amsteg, pequena aldeia na Suíça Central. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (8.000 homens sob comando do General de Divisão Claude Jacques Lecourbe) sobre as forças austríacas (4.400 homens sob comando do General Major Joseph Anton, Barão de Simbschen). As forças francesas perderam 500 mortos, feridos e desaparecidos. As forças austríacas tiveram 2.300 mortos, feridos e desaparecidos e perderam 3 bocas de fogo de artilharia.

15 agosto – Batalha de Novi, cidade do noroeste de Itália. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austro-russas (35.000 homens sob comando do “Feldmarschall” Alexander Vasilyevich Suvorov) sobre as forças francesas (35.000 homens sob comando do General de Divisão Barthélémy-Catherine Joubert). As forças austro-russas tiveram 900 mortos, 4.200 feridos e 1.400 capturados ou desaparecidos; também perderam 3 bocas de fogo de artilharia. As forças francesas tiveram 1.500 mortos, 5.500 feridos e 4.500 capturados ou desaparecidos; também perderam 37 bocas de fogo de artilharia, 40 carros de munições e 8 estandartes. O general Joubert morreu em combate. Quatro generais franceses foram capturados.

23 agosto – Napoleão Bonaparte abandona o Egito e dirige-se para França.

27 agosto – Combate de Groet Keeten, aldeia no noroeste da Holanda a pouca distância da cidade de Den Helder. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças britânicas (cerca de 8.000 homens sob comando do Tenente-general Harry Pulteney) sobre as forças da Batávia (11.000 homens sob comando do General de Divisão Herman Willem Daendels). As forças britânicas tiveram 63 mortos, além de 20 que se afogaram no desembarque, e 404 feridos. As forças da Batávia perderam 1.400 homens.

28 agosto – Captura de Den Helder, cidade portuária na ponta da Península Noord-Holland. Guerra da Segunda Coligação. Após o Combate de Groët-Keeten, a força britânica sob o comando do Major General John Moore capturou a cidade e o porto de Den Helder. Ali foram apreendidos 12 navios de guerra holandeses, 97 bocas de fogo de artilharia e equipamento variado. Nesta ação, como no desembarque de 27 de agosto, foi apoiada por 16 navios de guerra, entre eles 2 navios russos.

10 setembro – Combate de Zyper-Sluis, ponto de controlo do sistema de drenagem na província holandesa de Noord-Holland. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças britânicas (17.000 homens sob comando do Tenente-general Sir Ralph Abercromby) sobre as forças francesas e da Batávia (14.000 homens da Batávia mais 7.000 franceses sob comando do General de Divisão Guillaume Marie-Anne Brune). As forças britânicas perderam 200 homens. As forças francesas e da Batávia perderam 200 mortos, feridos e desaparecidos.

11 setembro – Capitulação de Tortona, pequena fortaleza no noroeste de Itália. Guerra da Segunda Coligação. As forças austríacas tinham iniciado o cerco a 5 de agosto. A guarnição francesa resistiu 38 dias. Quando a guarnição capitulou, tinha 100 mortos devido a ferimentos ou doença. Os sobreviventes foram autorizados a regressar a França. As forças austríacas tiveram baixas muito ligeiras, mas não conhecidas.

16 setembro – Combate de Fossano, pequena cidade no noroeste de Itália, a sul de Turim. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (8.000 homens sob comando do General de Divisão Jean Georges Grenier) sobre as forças austríacas (cerca de 5.000 homens sob comando do General Major Friedrich Heinrich von Gottesheim). As forças francesas tiveram cerca de 200 mortos, feridos e desaparecidos. As forças austríacas tiveram 300 mortos e feridos e 700 capturados.

18 setembro – Combate de Mannheim, cidade alemã a leste da confluência dos rios Reno e Neckar. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (cerca de 18.000 homens sob comando do Arquiduque Carlos da Áustria) sobre as forças francesas (18.000 homens sob comando do General de Divisão Müller). As forças austríacas tiveram 1.300 mortos, feridos e desaparecidos. As forças francesas 1.600 mortos e feridos, 1.900 capturados e perderam 23 bocas de fogo de artilharia, 20 veículos de transporte de abastecimentos e 2 estandartes.

18 setembro – Combate de Savigliano, aldeia no noroeste de Itália, a sul de Turim. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (cerca de 20.000 homens sob comando do “General der Kavallerie” Michael Friedrich Benedikt von Melas) sobre as forças francesas (7.500 homens sob comando do General de Divisão Jean Georges Grenier). As forças austríacas tiveram 400 mortos, feridos e desaparecidos. As forças francesas tiveram 2.000 mortos, feridos e desaparecidos e perderam 2 bocas de fogo de artilharia.

19 setembro – Batalha de Bergen, aldeia holandesa perto de Alkmaar. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas e da Batávia (cerca de 22.000 homens sob comando do General de Divisão Guillaume Marie-Anne Brune) sobre as forças anglo-russas (23.000 homens sob comando do Duque de York). As forças franco-batavas tiveram 1.000 mortos e feridos e 2.000 capturados. As forças britânicas tiveram 133 mortos, 441 feridos e 840 capturados e desaparecidos. As forças russas tiveram 1.792 mortos e desaparecidos e 1.275 feridos. A falta de ligação entre britânicos e russos terá sido a causa do desfecho desta batalha.

23/27 setembro – Combates de St. Gotthard, passo de montanha no sul da Suíça. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austro-russas (22.700 homens sob comando do Marechal de Campo Aleksandr Vasiliyevich Suvorov) sobre as forças francesas (15.000 homens sob comando do General de Divisão Claude Jacques Lecourbe). As forças austro-russas tiveram 2.000 mortos, feridos e desaparecidos. As forças francesas tiveram 2.000 mortos, feridos e desaparecidos e perderam 10 bocas de fogo de artilharia.

25/26 setembro – Combates do Rio Linth, norte da Suíça. Guerra da Segunda Coligação. Vitórias das forças francesas (11.000 homens sob comando do General de Divisão Jean-de-Dieu Soult) sobre as forças austro-russas (cerca de 13.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Johann Konrad Friedrich Freiherr von Hotze). As forças francesas tiveram cerca de 1.100 mortos, feridos e desaparecidos. As forças austríacas tiveram um número desconhecido de mortos e feridos e 3.500 capturados; também perderam 20 bocas de fogo de artilharia, 33 carros de munições e uma grande quantidade de abastecimentos. As forças russas tiveram 195 mortos e 39 desaparecidos. Desconhece-se o número de feridos.

25/26 setembro – Combates de Näfels e Glarus, duas cidades no norte da Suíça, no Vale do Rio Linth. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (6.000 homens sob comando do General de Brigada Gabriel Jean Joseph Molitor) sobre as forças austríacas (cerca de 7.500 homens sob comando do General Major Franz Jellachich de Buzim). As forças francesas perderam cerca de 900 homens, capturados. Não se conhecem os números relativos a mortos, feridos e desaparecidos. As forças austríacas tiveram cerca de 500 homens capturados. Tal como acontece com as forças francesas, não se conhece o número de mortos, feridos ou desaparecidos.

25/26 setembro – Segunda Batalha de Zurique, cidade no norte da Suíça. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (33.500 homens sob comando do General de Divisão André Massena) sobre as forças russas (19.605 homens sob comando do Tenente-general Alexander Mikhailovich Rimsky-Korsakov). As forças francesas tiveram cerca de 4.000 mortos, feridos e desaparecidos. As forças russas tiveram 2.800 mortos, 3.200 feridos e 2.000 capturados. Todos os feridos foram capturados. Também perderam 26 bocas de fogo de artilharia e 407 carros que transportavam equipamentos, abastecimentos e bagagem pessoal.

27/29 setembro – Combates de Glarus e Schwanden, duas cidades no norte da Suíça. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (cerca de 8.000 homens sob comando do General de Brigada Gabriel Jean Joseph Molitor) sobre as forças austríacas (cerca de 5.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Friedrich von Linken). As forças francesas tiveram baixas ligeiras, mas não se conhecem os números. Também não se conhecem os números de mortos e feridos das forças austríacas, mas tiveram 300 homens capturados.

29 setembro – Capitulação de Roma, capital da República Romana (1798-1799). Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças britânicas (HMS Minotaur sob comando do “Captain” Louis) e napolitanas (4.000 homens sob comando do Tenente-general Bourcard) sobre a guarnição francesa (4.500 homens sob comando do General de Brigada Pierre Dominique Garnier). Não se registaram baixas nas fileiras britânicas ou napolitanas, assim como na guarnição francesa, que regressou a França em navios britânicos.

30 setembro / 1 outubro – Combate de Klöntal, lago no norte da Suíça. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (cerca de 2.100 homens sob comando do General Major Franz Xaver Auffenberg) e russas (5.900 homens sob comando do General Pyotr Ivanovich Bagration) sobre as forças francesas (cerca de 6.500 homens sob comando do General de Brigada Gabriel Jean Joseph Molitor). Não se conhecem as baixas das forças austríacas e russas, mas foram ligeiras. As forças francesas tiveram cerca de 1.000 mortos e feridos e 1.020 capturados; também perderam 5 bocas de fogo de artilharia.

30 setembro / 1 outubro – Combate de Muottatal, vale no norte da Suíça, no qual corre o Rio Muotta. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças russas (4.000 homens no primeiro dia, 7.000 no segundo, sob comando do Tenente-general Andrei Grigoryevich Rosenberg) sobre as forças francesas (8.000 homens no primeiro dia, 15.000 no segundo, sob comando do General de Divisão André Massena). Não existe informação disponível sobre as baixas das forças russas. As forças francesas tiveram, no primeiro dia de combate, 500 mortos em combate, 100 afogados, 1.000 feridos e 70 capturados; no segundo dia, cerca de 1.000 mortos e feridos e 1.000 capturados.

1 outubro – Combates de Netstall e Näfels, aldeias no norte da Suíça. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austro-russas (5.800 homens, guarda avançada do exército de Suvorov, sob comando do General Pyotr Ivanovich Bagration) sobre as forças francesas (3.000 homens sob comando do General de Brigada Gabriel Jean Joseph Molitor, no início dos combates, que evoluíram para 10.000 homens sob comando do General de Divisão Honoré Théodore Maxime Gazan). As baixas das forças austro-russas que se conhecem são as indicadas pelos franceses: 400 mortos, 1.700 feridos e 200 capturados. As baixas francesas foram 140 mortos, 200 feridos e 406 capturados.

2 outubro – Batalha de Egmond-aan-Zee, aldeia holandesa na Província de Noord-Holland. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças anglo-russas (cerca de 21.000 + 9.000 homens sob comando do Duque de York) sobre as forças franco-batavas (20.000 homens sob comando do General de Divisão Guillaume Marie-Anne Brune). As forças britânicas tiveram 1.300 mortos e feridos e 200 capturados. As forças russas tiveram 79 mortos e 388 feridos. As forças franco-batavas tiveram 3.000 mortos, feridos e desaparecidos e perderam 7 bocas de fogo de artilharia.

5 outubro – Combate de Schwanden, aldeia no norte da Suíça. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças russas (1.800 homens sob comando do General Pyotr Ivanovich Bagration) sobre as forças francesas (cerca de 5.000 homens sob o comando do General de Brigada Gabriel Jean Joseph Molitor). As baixas sofridas pelas forças russas e francesas não são conhecidas.

6 outubro – Batalha de Castricum, aldeia holandesa na Província de Noord-Holland. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças franco-batavas (24.000 homens sob comando do General de Divisão Guillaume Marie-Anne Brune) sobre as forças anglo-russas (21.000 + 11.000 homens sob o comando do Duque de York). As forças francesas tiveram 1.165 mortos e feridos e 219 capturados. As forças britânicas tiveram 95 mortos, 732 feridos e 612 desaparecidos. As forças russas tiveram 383 mortos e 735 feridos.

9 outubro – Napoleão Bonaparte desembarca em França.

13 outubro – Combate de Bracco, pequena aldeia no noroeste de Itália, nas montanhas costeiras do Golfo de Génova. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (7.000 homens sob comando do General de Divisão François Watrin) sobre as forças austríacas (5.000 homens sob comando do General Major Johann Joseph Cajetan von Klenau und Janowitz). As forças francesas tiveram 100 mortos, feridos e desaparecidos. As forças austríacas perderam 1.200 homens, a maior parte deles capturados.

14 outubro - Início do Cerco de Ancona, cidade portuária fortificada em Itália, na costa do Adriático. Guerra da Segunda Coligação. As forças da Coligação (8.000 austríacos sob comando do “Felmarschalleutnant” Michael von Fröhlich, apoiados por 7 navios russos e 5 navios turcos e 1 batalhão turco sob comando de Aga Omer) puseram cerco à fortaleza de Ancona. A guarnição francesa (2.800 homens apoiados por cerca de 1.000 cidadãos locais, sob o comando General de BrigadaJean-Charles Monnier) resistiu até 13 de novembro, data em que capitulou.

18 outubro – Convenção de Alkmaar, Holanda. Acordo entre o Reino Unido e a Rússia (forças da Segunda Coligação), por um lado, e a Primeira República Francesa e a República da Batávia, por outro lado. Por este acordo, os Britânicos e os Russos concordaram em retirar as suas forças militares da República da Batávia.

24 outubro - Primeiro Combate de Novi, aldeia no noroeste de Itália, a sudeste de Alessandria. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (cerca de 12.000 homens sob comando do General de Divisão Laurent Gouvion, marquês de Saint-Cyr) sobre as forças austríacas (cerca de 5.000 homens sob comando do General Major Andreas Karaczay de Vályeszáka). As forças francesas tiveram 400 mortos e feridos e 800 capturados. As forças austríacas tiveram 300 mortos e feridos e 1.000 capturados.

31 outubro - Combate de Centallo, aldeia no noroeste de Itália, entre Turim e Cuneo. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (15.000 homens, de que apenas uma parte foi empenhada, sob comando do “General der Kavallerie” Michael Friedrich Benedikt von Melas) sobre as forças francesas (7.000 homens sob comando do General de Divisão Paul Grenier). As forças austríacas tiveram cerca de 100 mortos, feridos e desaparecidos. As forças francesas tiveram 1.000 mortos, feridos e desaparecidos.

4 novembro - Batalha de Genola, aldeia no noroeste de Itália, entre Turim e Cuneo. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (29.000 homens sob comando do “General der Kavallerie” Michael Friedrich Benedikt von Melas) sobre as forças francesas (15.000 homens sob comando do General de Divisão Jean Étienne Vachier dit Championnet). As forças austríacas tiveram 2.150 mortos e feridos e 250 capturados. As forças francesas tiveram 3.400 mortos e feridos e 4.200 capturados.

6 novembro - Segundo Combate de Novi, aldeia no noroeste de Itália, a sudeste de Alessandria. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (cerca de 11.000 homens sob comando do General de Divisão Laurent Gouvion, marquês de Saint-Cyr) sobre as forças austríacas (cerca de 12.000 homens sob comando do “Feldzeugmeister” Paul von Kray). As forças francesas tiveram cerca de 400 mortos, feridos e desaparecidos. As forças austríacas tiveram cerca de 1.000 mortos, feridos e desaparecidos.

13 novembro - Capitulação de Ancona, cidade portuária fortificada em Itália, na costa do Adriático. Guerra da Segunda Coligação. As forças da Coligação (austríacas, russas e turcas) puseram cerco à fortaleza de Ancona a 14 de outubro. A guarnição francesa resistiu cerca de um mês. O comandante francês, General Monnier, rendeu-se aos Austríacos, mas não aos Russos e aos Turcos. O comandante austríaco aceitou a rendição nesses termos o que provocou um grave incidente diplomático. À data da capitulação, as forças austríacas tinham sofrido 35 mortos e 176 feridos, as forças russas não tinham sofrido baixas e não se conhecem os dados relativos às forças turcas. As forças francesas tiveram cerca de 1.000 mortos e feridos. A guarnição foi autorizada a marchar para França, mas além de perderem a fortaleza e 585 bocas de fogo de artilharia, também perderam 10 navios que se encontravam no porto.

13 novembro - Combate de Mondovi, aldeia no noroeste de Itália. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (14.000 homens sob comando do “General der Kavallerie” Michael Friedrich Benedikt von Melas) sobre as forças francesas (9.000 homens sob comando do General de Divisão Jean-Étienne Championnet). As forças austríacas tiveram 500 mortos, feridos e desaparecidos, um número idêntico ao das forças francesas.

16 novembro - Combate de Philippsburg, pequena cidade no sudoeste da Alemanha. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (15.000 homens sob comando do General de Divisão Claude Jacques Lecourbe) sobre as forças austríacas (8.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Friedrich Karl Wilhelm, Príncipe de Hohenlohe-Ingelfingen). As forças francesas perderam 400 homens. As forças austríacas tiveram 1.200 mortos, feridos e desaparecidos.

16 novembro - Combate de Torriglia, aldeia no noroeste de Itália, nas montanhas costeiras do Golfo de Génova. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças francesas (cerca de 10.000 homens sob comando do General de Divisão Louis Jean-Baptiste Gouvion) sobre as forças austríacas (4.000 homens sob comando do General Major Johann Joseph Cajetan von Klenau und Janowitz). As forças francesas tiveram 200 mortos, feridos e desaparecidos. As forças austríacas tiveram 400 mortos, feridos e 1.800 capturados.

16 novembro/3 dezembro - Cerco e captura de Cuneo, cidade fortificada no noroeste de Itália. Guerra da Segunda Coligação. As forças austríacas (8.000 homens sob comando do “Feldmarschalleutnant” Johann Joseph, Príncipe de Liechtenstein) puseram cerco a Cuneo que estava defendida por uma guarnição francesa (3.000 homens sob comando do General de Brigada Claude Clément). A guarnição resistiu durante dezassete dias após os quais a cidade foi capturada pelas tropas austríacas. Não se conhece o número de mortos ou feridos da guarnição francesa. Todos os sobreviventes foram capturados, assim como toda a artilharia e pólvora ali existente.

3 dezembro - Combate de Wiesloch, pequena cidade no sudoeste da Alemanha. Guerra da Segunda Coligação. Vitória das forças austríacas (cerca de 5.000 homens sob comando do “Feldzeugmeister” Anton von Sztáray de Nagy-Mihály et Sztára) sobre as forças francesas (17.000 homens sob comando do General de Divisão Claude Jacques Lecourbe). As forças austríacas tiveram 500 mortos, feridos e desaparecidos. As forças francesas tiveram 700 mortos e feridos e 800 capturados.