O espaço da História

Primeira Guerra Mundial

Breves

cronicas3   

Pode adquirir o livro
"Crónica da regência e do reinado de D. João I",
nas seguintes lojas online:
   bertrand2wook2
    almedina2
   

A Primeira Guerra Mundial em África

A Primeira Guerra Mundial em frica.pdfDownload A Primeira Guerra Mundial em Africa - PDF

A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL EM ÁFRICA

A Primeira Guerra Mundial foi desencadeada por um conflito entre a Áustria-Hungria e a Sérvia, iniciado a 28 de julho de 1914, que, aparentemente, podia ter permanecido no âmbito regional. A mobilização na Rússia, em apoio da Sérvia, desencadeou a mobilização na Alemanha e na França. Estes processos de mobilização foram efetuados de acordo com os planos existentes em cada potência e a Alemanha pôs em prática o Plano Schlieffen que previa que as forças alemãs atravessassem o território belga, uma potência neutral, para invadirem a França. A Alemanha, herdeira dos acordos internacionais firmados pela Prússia, era, juntamente com o Reino Unido e outras potências, garante da neutralidade belga de acordo com o artigo 7° do Tratado de Londres de 8 de junho de 1839. A invasão da Bélgica foi decisiva para o Reino Unido entrar na guerra. O conflito deixou de ser um mero confronto regional entre a Áustria-Hungria e a Sérvia para ganhar uma dimensão europeia. Mas também passou a ser um conflito entre impérios. A Alemanha, a França, o Reino Unido e a Bélgica tinham impérios ultramarinos. Portugal, que não entrou imediatamente na guerra, também tinha o seu império e tinha de acautelar a sua defesa. No Portugal republicano há quase quatro anos, economicamente débil e politicamente instável, existia pelo menos um ponto de convergência para a generalidade dos partidos: a manutenção do império.

O IMPÉRIO ALEMÃO EM ÁFRICA E OS SEUS VIZINHOS

Os Alemães tinham colónias no Extremo Oriente e em África. As primeiras eram formadas por um conjunto de ilhas no Pacífico e parte da ilha de Nova Guiné, além de dois territórios na China. Esta parte das colónias alemãs foi prontamente atacada e ocupada pelo Japão, Austrália e Nova Zelândia, assim que começou a guerra. Em África (Ver mapa «ÁFRICA 1914»), tinham adquirido quatro colónias: Togolândia (frequentemente designada por Togo) que, com algumas alterações de fronteiras, corresponde ao atual Togo ou República Togolesa; a colónia de Camarões (Kamerun), que tinha sido substancialmente alargada por ocasião da convenção franco-alemã assinada a 4 de novembro de 1911, decorrente da Crise de Agadir ou Segunda Crise de Marrocos. A Togolândia e os Camarões constituíam os domínios coloniais alemães da África Ocidental. Mais para sul, encontrava-se o Sudoeste Africano Alemão, a atual Namíbia. Na outra costa africana, virada para o Oceano Índico, existia a África Oriental Alemã, correspondendo aproximadamente aos atuais Burundi, Ruanda e Tanzânia.

A Togolândia tinha fronteira com territórios franceses (Daomé, atual Benin) e britânicos (Costa do Ouro, atual Gana). A colónia de Camarões também estava rodeada por territórios britânicos (Nigéria) e franceses (África Equatorial Francesa que corresponde hoje ao Chade, República Centro-Africana, Gabão e República do Congo). O Sudoeste Africano Alemão tinha fronteira com Angola, a norte; com a Rodésia do Norte (atual Zâmbia) no extremo de uma estreita faixa de território conhecida como Faixa de Caprivi; com o protetorado da Bechuanalândia (atual Botswana), a leste; com a União Sul-Africana (Domínio do Império Britânico, hoje República da África do Sul), a sul e sudeste. Na África Oriental, a colónia alemã tinha fronteira com territórios britânicos, a norte (África Oriental Britânica, atual Quénia, e Uganda); com o Congo
Belga (atual República Democrática do Congo), a leste, onde uma parte da fronteira passava pelo Lago Tanganica; com a Rodésia do Norte a sudoeste; com Moçambique a sul, sendo a fronteira delimitada em quase toda a sua extensão pelo rio Rovuma. Como podemos ver, todas as colónias alemãs em África tinham fronteiras com os seus inimigos (Britânicos, Franceses e Belgas) e duas delas, o Sudoeste Africano Alemão e a África Oriental Alemã, tinham fronteira com Portugal.

Africa 1914

As colónias portuguesas tinham, assim, duas fronteiras potencialmente perigosas: a fronteira sul de Angola e a fronteira norte de Moçambique. Em ambas as fronteiras, como veremos, registaram-se conflitos entre as forças portuguesas e alemãs. Embora a declaração de guerra entre Portugal e a Alemanha só tenha surgido em março de 1916, desde o início da guerra que se sentia um ambiente tenso, um mal-estar, que prejudicou as relações entre as autoridades dos respetivos territórios coloniais e que terão sido a principal causa das ações militares ocorridas em 1914. Após a declaração de guerra, a situação agravou-se consideravelmente, mas foi no norte de Moçambique que se registaram os principais confrontos. A situação no sul de Angola foi muito diferente da do norte de Moçambique. Para compreendermos a diferençana evolução da guerra em ambos os territórios portugueses, teremos de ter a visão global do conflito em África, nas quatro colónias alemãs, e não apenas nas nossas fronteiras. Se a conquista e ocupação dos territórios da Togolândia e dos Camarões não tiveram significado para nós, portugueses, já o mesmo não poderemos dizer do conflito nas outras duas colónias alemãs.

MOTIVOS PARA A PAZ E PARA A GUERRA

Muito se tem especulado sobre as causas da Primeira Guerra Mundial em África. Será que a guerra no Continente Africano interessava aos Alemães? Os factos que conhecemos mostram-nos duas tendências opostas que se manifestaram tanto do lado alemão como dos Aliados: tentativas de manter a paz nas colónias em África, por um lado, e decisões no sentido de iniciar rapidamente a guerra e de a prolongar o mais possível, por outro. Vejamos os factos que sustentaram essas duas tendências.

A Conferência de Berlim1 , conhecida entre os Alemães como Conferência do Congo (Kongokonferenz) ou Conferência da África Ocidental (Westafrika-Konferenz), decorreu entre 15 de novembro de 1884 e 26 de fevereiro de 1885. No final da conferência, as potências participantes assinaram uma ata geral elaborada em Berlim, a 26 de fevereiro de 1885, onde constavam as disposições acordadas «para regular a liberdade de comércio nas bacias do Congo e do Níger, bem como as novas ocupações de territórios na costa ocidental da África». Esta ata, para além da introdução, contém sete capítulos, dos quais interessa mencionar dois: o Capítulo I é constituído pela «Declaração relativa à liberdade de comércio na bacia do Congo, suas embocaduras e regiões circunvizinhas, e disposições anexas.». Esta declaração é formada por oito artigos e define no seu artigo 1 os limites da "bacia convencional do Congo", isto é, do território assim designado e que corresponde a uma área muito mais vasta do que a bacia geográfica daquele rio (ver mapa n° 2).

1 BRUNSCHWIG, 1971, 80 A 97

O Capítulo III daquela ata é formado pela «Declaração relativa à neutralidade dos territórios compreendidos na bacia convencional do Congo.» e, no artigo 10, dispõe:

«A fim de dar uma nova garantia de segurança ao comércio e à indústria e de favorecer, pela manutenção da paz, o desenvolvimento da civilização nas regiões mencionadas no artigo 1 e colocadas sob regime de liberdade comercial, as altas partes signatárias da presente Ata, e aquelas que a ela aderirem posteriormente, comprometem-se a respeitar a neutralidade dos territórios ou partes dos territórios dependentes das ditas regiões, incluindo as águas territoriais, durante tanto tempo quanto as Potências que exercem ou venham a exercer direitos de soberania ou de protetorado sobre esses territórios, usando da faculdade de se proclamarem neutros, preencham os deveres que a neutralidade comporta.»

Os artigos 11 e 12 deste capítulo estabelecem também que as Potências devem empregar os seus bons esforços no sentido de colocar os territórios sob o regime de neutralidade e se comprometem, «antes de pegar em armas, a recorrer à mediação de uma ou de várias potências amigas.»

Para os governadores britânico e alemão da África Oriental, Sir Henry Conway Belfield e Heinrich Albert Schnee respetivamente, pareceu claro que deviam ser desenvolvidos esforços no sentido de ser proclamado o estatuto de neutralidade nos seus territórios, nos termos acordados na Conferência de Berlim. Foram realizadas ações diplomáticas nesse sentido e a Alemanha chegou a pedir a intervenção da diplomacia norte-americana junto das potências aliadas2. Mas a necessidade de manter a neutralidade nas colonias africanas foi evocada também pelos governadores de outros territórios, não só da África Oriental.

2FARWELL, 1986, 24-25

FFFFFE3

O governador da Togolândia, o duque Adolf Friedrich zu Mechlenberg, propôs aos seus vizinhos britânico e francês que se deixasse a guerra confinada à Europa e invocou para isso ointeresse das populações africanas e o facto de considerar necessário, para a defesa dos interesses europeus em África, mostrar a «unidade da cultura da raça branca3» . Quando as notícias da crise que conduziu à guerra chegaram às colónias africanas, a reação dos colonos europeus foi diferente da que se verificou na Europa, onde houve manifestações de entusiasmo em ambos os campos e muitos correram a alistar-se pois todos estavam convencidos da justiça da sua causa e que seria alcançada uma vitória rápida. Em África existiam outras preocupações; pensava-se que a principal preocupação dos europeus deveria ser a de manterem o controlo dos Africanos que tinham sido submetidos (não inteira nem definitivamente) à custa das chamadas "campanhas de pacificação" que, em alguns casos, acabaram por decorrer no período 1914-1918. Os colonos europeus, em número diminuto no seio da população africana, não podiam dar-se ao luxo de se guerrearem perante os povos submetidos. Ainda mais quando, como veio a verificar-se, esses povos teriam forçosamente de ser armados e levados a combater não só contra outras tropas africanas, mas também contra tropas europeias4.

3 FARWELL, 1986, 23
4 STRACHAN, 2004, 2-3

Apesar das razões apresentadas parecerem suficientes para agir com cautela antes de alguma das partes pegar em armas contra o seu vizinho, e alguns dos governadores pretenderam agir da forma mais moderada possível, outros fatores foram tidos em conta e os factos conhecidos posteriormente mostraram que havia a intensão por algumas das partes em expandir os seus territórios ou recuperar o que antes possa ter sido perdido. Sobre este tipo de razões, vamos apenas referir os objetivos da política alemã e as ameaças que pendiam sobre os territórios portugueses.

Quando a guerra na Europa parecia correr bem aos Alemães, quando estes já tinham obtido uma importante vitória contra os Russos na Batalha de Tannenberg, entre 26 e 30 de agosto 1914, e quando o governo francês, perante o avanço dos exércitos alemães, já tinha abandonado Paris, embora os Aliados tivessem conseguido deter o avanço alemão na Primeira Batalha do Marne, surgiu um documento elaborado pelo governo alemão em que se previa o destino a dar, após a vitória alemã na guerra, a vastos territórios europeus e coloniais dos seus inimigos. Este documento, um memorando que ficou conhecido como "Programa de Setembro" (Septemberprogramm)5 ou "Memorando de Setembro" (September-Memorandum), foi distribuído na chancelaria alemã a 9 de setembro de 1914, apesar de os Aliados já terem conseguido deter o avanço alemão na Primeira Batalha do Marne. Nele, a preocupação fundamental é a segurança do Império Alemão no pós-guerra e defendia-se que, para isso, era necessário enfraquecer a França. Enunciava de forma muito genérica os objetivos destinados a criar uma associação económica da Europa Central, sob hegemonia alemã. Em África, estava previsto criar uma colónia na África Central que ligaria as costas ocidental e oriental, a Mittelafrika, um "Mapa Cor-de-Rosa" alemão, à custa dos territórios sobdomínio francês e belga. Apesar de existirem muitas dúvidas sobre o verdadeiro valor que este documento tivesse tido para o governo alemão, temos hoje conhecimento que ele foi elaborado de acordo com os desejos dos mais importantes setores da sociedade alemã6.

5 Texto completo do Septemberprogramm em http://www.wwnorton.com/college/history/ralph/workbook/ralprs34.htm
6 THOMPSON, 1978, 348-354; COELHO, Revista Militar, nº8/9 - Agosto/Setembro de 2014, 687-701.

Um plano desta natureza, tanto no que respeita à Europa como à África, mesmo que apenas sob a forma de memorando, não poderia ser elaborado numa semana. Assim, teremos de concluir que os assuntos nele inscritos foram pensados e discutidos antes de terem início as hostilidades na Europa ou em África. As tentativas alemãs de proteger as suas colónias em África com o estatuto de neutralidade, desenvolvidas não apenas pelos governadores das colónias, mas pela diplomacia oficial alemã, não se enquadram, portanto, neste memorando a não ser por uma questão estratégica sem perder de vista os objetivos enunciados a 9 de setembro de 19147. Aliás, os Alemães não podem pedir aos seus vizinhos que confiem neles, pois tiveram a iniciativa de não respeitar o Tratado de Londres de 19 de abril de 1839, assinado pelo Reino Unido, Áustria, França, Rússia, Holanda e Confederação Alemã (liderada pela Prússia). O chanceler alemão Theobald von Bethmann-Hollweg considerou-o, a propósito da violação da neutralidade da Bélgica, um mero pedaço de papel.

7 ZECHLIN, 1972, 215-256

Em Portugal, no início da guerra, a maior parte das forças políticas defendiam a causa dos Aliados. Outras forças, nas alas mais radicais, apoiavam a causa alemã ou eram contrários à guerra e a qualquer envolvimento de Portugal no conflito. Embora a maioria das tendências políticas se posicionasse do lado dos Aliados, nem todos concordavam com a participação portuguesa no teatro de operações europeu, caso viesse a ser solicitada pela nossa antiga aliada, a Inglaterra, mas era causa comum o empenhamento na guerra em África. Após contactos com o governo britânico, o governo de Bernardino Machado adotou a atitude aconselhada por Londres: Portugal não declarou o estatuto de neutralidade, mas declarou-se não beligerante, ou seja, mantinha-se neutral sem declarar a neutralidade e, assim, podia apoiar os aliados sem entrar na guerra. Esta era uma posição pouco clara que foi tornada pública, também de forma pouco clara, em declaração feita perante o Congresso da República, no dia 7 de agosto de 19148.

8 fraga, 2003, 107

Portugal necessitava do apoio britânico por duas ordens de razões: a defesa do território nacional e a manutenção do império colonial. Na Península Ibérica, o objetivo era conter a potencial ameaça (real ou imaginária) da Espanha que tinha acolhido a apoiado muitos monárquicos. Em África, para garantir a posse das colónias, especialmente Angola e Moçambique que tinham fronteira com o Sudoeste Africano alemão, a primeira, e com a África Oriental Alemã, a segunda. Este apoio britânico que a República esperava tal como tinha acontecido no tempo da Monarquia, tinha algo de paradoxal pois a Inglaterra e a Alemanha já antes tinham negociado a partilha das colónias portuguesas. Em 1897, por ocasião dasnegociações para a obtenção de um empréstimo a Portugal, foi estabelecido, a 30 de agosto de 1898, um acordo secreto entre os governos britânico e alemão que impunham as rendas das alfândegas das colónias como garantia, isto é, que previa a partilha entre a Inglaterra e a Alemanha do controlo económico das colónias portuguesas. Este empréstimo acabou por ser obtido em França9.

9 AFONSO, 2009, 289-290

Apesar de se ter resolvido a questão do empréstimo em 1898, não deixava de ser verdade que as colónias portuguesas continuaram a estar na ordem do dia, sempre que Londres punha em causa a soberania portuguesa sobre aqueles territórios, com a finalidade de apaziguar as relações com a Alemanha que eram cada vez mais tensas. A prová-lo, a 13 de agosto de 1913, o embaixador alemão em Londres, príncipe Lichnowsky, e o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Edward Grey, concluíram negociações que alargavam os motivos de uma possível partilha das colónias portuguesas. Já não se tratava apenas de garantir as obrigações da dívida externa, mas também de prever uma intervenção armada e serem tomadas as medidas consideradas necessárias com a finalidade de protegerem os respetivos interesses, pessoas e bens, caso o Governo português não estivesse em condições de o fazer. Em 1914, estas negociações ainda se mantinham secretas10. Devido ao eclodir da guerra, este acordo não chegou a ser ratificado e, portanto, nunca entrou em vigor. Apesar disso, ele tem a utilidade de nos mostrar a visão que outras potências tinham da nossa capacidade de ocupar e controlar os territórios coloniais.

10 AFONSO, 2009, 289-290

Em 1914, Portugal tinha questões coloniais a resolver com os Alemães. A fronteira sul de Angola não estava completamente definida. Os Alemães pretendiam estender o seu território do Sudoeste Africano pelo sul de Angola e esta situação impediu que aquela fronteira fosse definida em tratado. Acordaram ambas as partes em estabelecer uma faixa do território que posteriormente seria estudada para se definir com rigor o traçado da fronteira. No início da guerra, esta questão estava em aberto. Em Moçambique também existiam questões territoriais que os Portugueses não queriam esquecer. A fronteira entre o norte de Moçambique e o sul da África Oriental Alemã era materializada em grande parte da sua extensão pelo Rio Rovuma, tal como ficou estabelecido na Convenção luso-alemã de 30 de dezembro de 1886. No entanto, em 1894, os Alemães ocuparam o território que ficou conhecido como "Triângulo de Quionga", entre o rio Rovuma e Cabo Delgado. Esta situação foi regulada por um acordo em 1904, ficando a Alemanha na posse daquele território que Portugal, apesar disso, continuou a querer recuperar. No entanto, quaisquer que fossem as questões fronteiriças a resolver com a Alemanha, Portugal não podia por sua iniciativa fazer valer o que considerava serem os seus direitos. Isso só seria possível numa ação consertada com os seus aliados na região, os Britânicos.

A guerra que teve início na Europa não surpreendeu os Alemães. Tratava-se de uma situação prevista para a qual procuraram preparar-se ao mais pequeno pormenor. Os cabos telegráficossubmarinos que não viessem a ser cortados, pois também serviam os Aliados, podiam ter o seu tráfego controlado pelos serviços de informações britânicos. Prevendo esta situação, os Alemães construíram uma série de transmissores sem fios cujo alcance atingia a maior parte do mundo. Isto significava que, através de uma rede de estações telegráficas instaladas nas suas colónias, podiam comunicar entre si, mas também podiam comunicar com os navios alemães no Atlântico e no Índico. Em África, existia uma destas estações na Togolândia, em Kamina, que podia comunicar com a Alemanha. Existiam mais cinco estações, uma em Douala, nos Camarões, três no Sudoeste Africano, em Windhoek, Swakopmund e Lúderitz, e uma em Dar-es-Salam, na África Oriental Alemã11. Estas estações, juntamente com navios e submarinos equipados com meios de comunicações adequados, podiam controlar e causar danos nas rotas marítimas da Europa para a América do Sul, para as costas ocidental e oriental africanas e para o Médio Oriente e Índia. Dado que a segurança das comunicações marítimas era, para os Britânicos, o objetivo prioritário fora da Europa, impunha-se destruir essa rede de comunicações telegráficas sem fio12. A ocupação dos portos que os alemães tinham construído ao longo da costa africana era outra prioridade.

11 KEEGAN, 1998, 209
12 STRACHMAN, 2004, vi-vii

 

OS ACONTECIMENTOS

A Togolândia e os Camarões

No dia 6 de agosto de 1914, um pequeno corpo de tropas francesas do Daomé atravessou a fronteira oriental da Togolândia e apoderou-se de Anecho (Aného, Little Popo). Nesse mesmo dia, o capitão Bryant, comandante das forças militares na Costa do Ouro, sem esperar por instruções superiores, enviou um emissário a Lomé, capital da Togolândia, para exigir a rendição. O governador interino da Togolândia, major von Doering, pediu 24 horas para dar uma resposta e, nesse espaço de tempo, a Polizeitruppe (força de polícia paramilitar) e funcionários alemães abandonaram Lomé e dirigiram-se para Norte. As tropas do capitão Bryant desembarcaram em Lomé, a 7 de agosto, sem qualquer oposição. As forças invasoras, britânica e francesa, formaram uma força conjunta que avançou para norte, em perseguição dos alemães. Após um combate nas margens do rio Chra, com 23 mortos e 50 feridos nas forças aliadas e baixas insignificantes do lado dos alemães, estes seguiram para Kamina. Na noite de 24/25 de agosto inutilizaram todos os equipamentos da Estação TSF e renderam-se incondicionalmente no dia 26. Em 20 dias, a mais pequena das colónias alemãs em África caía nas mãos dos Aliados e a única estação TSF que permitia aos Alemães o contacto direto entre África e Berlim estava destruída13.

13 STRACHAN, 2004, 14-18; MICHEL, 2004, 920.

Também no dia 6 de agosto de 1914, dois corpos de tropas francesas entraram na colónia dos Camarões e ocuparam Bonga, no extremo sul, e Singa, a povoação mais a oriente. Estas duas povoações situavam-se nos territórios que a França tinha cedido à Alemanha em 1911. Ao contrário dos Franceses, os Britânicos não tinham o objetivo de conquista territorial. Para o Almirantado, o objetivo era impedir que os navios alemães tivessem acesso ao porto de Douala e fizessem uso da estação TSF ali existente. Atendendo à natureza do terreno, uma intervenção militar por terra, a partir da Nigéria, mostrava-se impraticável. Foi então decidido atacar Douala por mar e, para o efeito, era necessário reunir as tropas da West African Frontier Force (Corpo de tropas formado com base nos regimentos britânicos na África Ocidental) e os meios navais necessários a este tipo de operação. A esta força de 2.500 combatentes juntaram-se 2.000 franceses. A reunião destes recursos só estaria terminada em setembro.

FFFFFE5

Campanha do Togo

Enquanto eram feitos os preparativos para atacar Douala, o coronel Carter, comandante do Regimento da Nigéria, obteve autorização para atacar algumas posições alemãs ao longo da fronteira entre as duas colónias. No final de agosto, as colunas daquele regimento entraram nos Camarões, mas foram obrigadas a retirar depois de sofrerem pesadas baixas. No dia 27 de setembro, Douala caiu em poder dos Aliados e a Schutztruppe (corpo de tropas coloniais alemãs) acompanhada por todos os civis europeus, retiraram para o interior onde iriam oferecer uma resistência notável que se prolongou até ao início de 1916. Em janeiro deste ano, esgotados por mais de dois anos de guerrilha e pela falta de recursos materiais, as tropas alemãs refugiaram-se no território de Rio Muni, um enclave na costa dos Camarões queconstitui hoje o território continental da Guiné Equatorial. No entanto, o posto fortificado de Mora, na região mais a norte da colónia dos Camarões, só se rendeu a 20 de fevereiro14.

14 MICHEL, 2004, 921; STRACHAN, 2004, 56, indica a data de 18 de fevereiro. Na bibliografia consultada é frequente encontrar diferenças deste tipo.

FFFFFE6

Campanha dos Camarões

 

Angola e o Sudoeste Africano Alemão

O sul de Angola faz fronteira com o norte da Namíbia que era então o Sudoeste Africano Alemão. Nesta fronteira, entre outubro e dezembro de 1914, registaram-se graves confrontos entre forças portuguesas e alemãs. Embora Portugal não estivesse em guerra com a Alemanha (a declaração de guerra data de 9 de março de 1916), o conflito na Europa não deixou de causar alguma crispação nas relações entre as autoridades e as forças militares na fronteira entre Angola e o Sudoeste Africano Alemão. Por duas ordens de razões: primeiro, porque Portugal, embora declarando-se "não beligerante", não deixou de lembrar a sua aliança com a Inglaterra e deixava claro que, a entrar por alguma razão na guerra, seria ao lado dos Aliados; segundo, porque Portugal receava as ambições alemãs sobre os nossos territórios e tinha conhecimento de, pelo menos, parte das cláusulas contidas nos acordos entre a Alemanha e o Reino Unido, de 1898 e de 1913, que estabeleciam as condições para uma hipotética partilha das nossas colónias. A guerra veio impedir a implementação do acordo de 1913 e o Reino Unido deu garantias de apoio na defesa das colónias portuguesas.

A União Sul-Africana, um domínio britânico, foi criada em 31 de maio de 1910, exatamente oito anos depois de terminada a Segunda Guerra dos Boers (11 de outubro de 1899 - 31 de maio de 1902). Com o desencadear da guerra na Europa, o seu governo, liderado pelo general Louis Botha, permaneceu leal ao Império Britânico. Para a concretização dos objetivos britânicos de controlar os portos de Swakopmund e Lúderitz e de destruir as estações TSF existentes nesses portos e em Windhoek, o governo da União Sul-Africana forneceu as tropas necessárias recebendo apoio da Royal Navy. A esta "generosidade" sul-africana, com a qual nem todos estavam de acordo porque o confronto com os Britânicos na Segunda Guerra dos Boers ainda estava fresco na memória, não era estranha a ambição de expansão territorial da União.

No dia 13 de setembro de 1914, tropas sul-africanas atravessaram a fronteira sul do Sudoeste Africano Alemão e ao longo do mês bombardearam e ocuparam o porto de Lúderitz. No dia 26 de setembro 1914, junto à fronteira sul, foi travada a batalha de Sandfontein, que resultou numa vitória das tropas alemãs. As notícias da rebelião bóer dentro da União Sul-Africana obrigaram a uma paragem nas operações contra a colónia alemã. O apoio dos alemães aos revoltosos foi mais limitado do que eles esperavam, a revolta foi neutralizada e as operações foram novamente retomadas no final do ano. No dia 25 de dezembro de 1914, tropas sul-africanas desembarcaram em Walvis Bay (um enclave britânico na costa do Sudoeste Africano Alemão) e, a 13 de janeiro de 1915, ocuparam Swakopmund, imediatamente a norte. No início do ano, encontravam-se mais de 40.000 tropas sul-africanas empenhadas nas operações no Sudoeste Africano15. A ofensiva foi feita ao longo das linhas de caminho de ferro que os alemães inutilizavam para logo serem reconstruídas pelos sul-africanos. A cidade de Windhoek foi ocupada a 5 de maio, mas os alemães só se renderam a 9 de julho, no extremo norte da viaférrea. A União Sul-Africana tinha sofrido mais baixas na repressão da revolta bóer do que na conquista do Sudoeste Africano.

15 STRACHAN, 2004, 82

Os confrontos entre portugueses e alemães no sul de Angola aconteceram no período em que a ofensiva sul-africana foi interrompida por causa da revolta bóer. Vejamos estes acontecimentos com um pouco mais de pormenor.

No início da guerra na Europa, a ocupação militar do sul de Angola era muito fraca, o que provocava na população de colonos um sentimento de insegurança relativamente à hostilidade de alguns povos indígenas e depois, também, em relação aos alemães do Sudoeste Africano. Sendo a Huíla uma zona de colonização portuguesa e bóer, onde também se encontravam muitos alemães, a guerra fez surgir uma natural desconfiança relativamente aos vizinhos do sul. O conhecimento das ambições alemãs sobre as nossas colónias foi um dos fatores que levaram o governo a decretar o envio de duas forças expedicionárias, uma para Angola e outra para Moçambique. No caso da África Ocidental, o objetivo era «assegurar a obediência dos povos no sul de Angola e vigiar a fronteira sul nos pontos importantes.16»

16 MARTINS, 1935, 194

A composição da força expedicionária a Angola foi publicada em decreto de 18 de agosto de 1914 (transcrito na Ordem do Exército n° 19 de 21 de agosto) e previa a organização de uma força constituída por 61 oficiais, 1.534 praças e 335 solípedes. O comando da força foi atribuído ao tenente-coronel José Augusto Alves Roçadas que, em acumulação, desempenhava as funções de governador do Distrito da Huíla, função que já tinha desempenhado entre 1905 e 1908. Alves Roçadas conhecia o sul de Angola e era um oficial com provas dadas. Entre 1897 e 1900 desempenhou as funções de chefe do estado-maior das forças portuguesas em Angola e em 1905 regressou àquela província. Até 1908 participou e comandou algumas das campanhas de pacificação no sul de Angola, com especial destaque para a Campanha dos Cuamatos. Alves Roçadas foi então agraciado com a Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, além de outras condecorações.

A Força Expedicionária ao sul de Angola desembarcou em Moçâmedes (atual Namibe) a 1 de outubro de 1914. Para Alves Roçadas, sem descurar a possibilidade de os alemães invadirem o sul da daquela província, o objetivo fundamental era ocupar o Cuanhama e submeter os povos sublevados17. Com esta finalidade começou a concentrar o grosso das suas tropas no planalto da Huíla. Contudo, foi nesse mesmo mês, no dia 19, que se deu o primeiro confronto com os alemães, em Naulila. Um grupo de alemães que tinha entrado em território português foi conduzido pelas tropas portuguesas ao posto de Naulila. Daí deveriam seguir para o Humbe. Não se tratava de prisioneiros, tanto mais que conservaram as suas armas. Em Naulila, um mal-entendido, provavelmente uma atitude arrogante da parte dos alemães e alguma
Sudoeste Africano Alemão

17  ARRIFES, 2004, 114

FFFFFE8

Mapa do sul de Angola (simplificado) com indicação das ações ofensivas dos alemães em 1914

 

A retaliação alemã não se fez esperar. Ao longo da fronteira, vários postos portugueses foram atacados. Desses, os principais foram os postos de Cuangar e de Naulila. O posto de Cuangar, a cerca de 400 Km para leste de Naulila, sem comunicações telegráficas, foi atacado no dia 31 de outubro. O ataque provocou a morte de três oficiais, um sargento, cinco soldados europeus, treze soldados indígenas e dois civis. O posto foi destruído e saqueado. Os sobreviventes ao ataque conseguiram fugir para o mato e chegaram ao posto de Caiundo alguns dias depois. Ainda no mês de outubro foram atacados os postos de Bunja, Sambio e Dirico, a leste de Cuangar, que se encontravam quase desguarnecidos.

Após o incidente de 19 de outubro, em Naulila, Alves Roçadas concentrou as suas tropas entre Naulila e Calueque (a 15 Km de Naulila, em linha reta, para sudoeste) e mandou executar várias ações de reconhecimento. Numa destas ações, no dia 12 de dezembro, deu-se um confronto nas margens do rio Cunene, entre forças portuguesas e alemãs. No dia 18 desse mês, perto das cinco horas da manhã, os alemães, sob o comando do major Franck, atacaram o posto de Naulila que estava guarnecido com 580 homens, 3 peças de artilharia e 4 metralhadoras18. Os alemães atacaram com 38 oficiais, 450 soldados alemães, alguns Bóers, 150 soldados africanos, nove bocas de fogo de artilharia e duas metralhadoras pesadas, auxiliados pelas tropas do soba Sihetekela, que tinha sido expulso do Cuamato, sete anos antes, pelo próprio Roçadas. Em algumas horas, os portugueses foram vencidos e sofreram 60 mortos, 76 feridos e 37 prisioneiros. Os sobreviventes retiraram para norte. «Não se trata deuma retirada, mas de uma debandada lamentável de 70 Km antes de alcançar o Humbe, depois de ter transposto o Cunene para não atravessar o Cuamato, já em revolta.»19

18 ARRIFES, 2004, 302-30
19 PÉLISSIER, 2004, 354

É difícil avaliar as causas do que se passou. Na abundante literatura, como refere René Pélissier, encontram-se grandes contradições entre as descrições de um lado ou de outro. Parte das fontes escritas, do lado português, terão desaparecido20. De qualquer forma, a sequência dos acontecimentos logo após o ataque a Naulila levanta-nos muitas dúvidas. As tropas que conseguiram retirar de Naulila dirigiram-se para norte. Ora, cerca de 60 Km em linha reta, para Nordeste, ficava o Forte Alves Roçadas, apenas a 10 Km do Humbe. Na retirada das forças portuguesas, incluindo as que guarneciam os postos nas regiões do Cuamato e dos Cuanhamas, Roçadas ordenou a destruição, a 19 de dezembro, do Forte Roçadas, destruindo todos os explosivos, munições e armamento que não podiam ser transportados. Depois desta destruição, as forças sob comando de Roçadas continuaram a retirada para norte depois de evacuarem a fortaleza no Humbe. Nesta fuga, os portugueses perderam mais de mil espingardas, perto de dois milhões de cartuchos, centenas de granadas, quatro metralhadoras e vinte e uma peças de artilharia. Os alemães, por seu lado, tinham regressado ao Sudoeste Africano Alemão sem mostrarem qualquer intenção de permanecer no território português. Aliás, nessa altura, já os sul-africanos tinham recomeçado as operações destinadas à conquista da colónia alemã. Alves Roçadas tinha recuado para concentrar forças contra a invasão alemã que não se verificou e o que é certo é que, ao retirar daquelas regiões, os portugueses perderam a face perante os povos que recentemente tinham sido submetidos21. O controlo daqueles territórios iria custar novas campanhas de pacificação.

20 PÉLISSIER, 2004, 354; ARRIFES, 2004, 310-311, faz referências ao relatório de Alves Roçadas publicado em Lisboa, 1919, pela Imprensa Nacional.
21 PÉLISSIER, 2004, 354- 356

 

A África Oriental Alemã e o norte de Moçambique

A guerra na África Oriental Alemã começou em agosto de 1914 e prolongou-se até novembro de 1918. As intenções dos governadores britânico e alemão da África Oriental, de verem atribuídos aos respetivos territórios o estatuto de neutralidade, foram rapidamente goradas. A 8 de agosto, dois cruzadores britânicos bombardearam o porto de Dar-es-Salaam com o objetivo de destruir a estação TSF. O comandante das forças militares alemãs na África Oriental, coronel Paul Emil von Letow-Vorbeck, em desacordo com a linha de ação do governador da colónia, Heinrich Scheene, lançou várias ações ofensivas contra a África oriental britânica tendo como objetivo paralisar o caminho de ferro do Uganda, contra os Belgas no Lago Tanganica, e contra a Rodésia do Norte onde foi repelido. Os Aliados, por sua vez, a 3 de novembro de 1914, desembarcaram cerca de 8.000 homens da Força Expedicionária Indiana a sul do porto de Tanga e, no dia 4, ocuparam a cidade. No dia seguinte, 5 de novembro, com apenas 1.000 homens, Lettow-Vorbeck contra-atacou e expulsou a força invasora que sofreu pesadas baixas (847 homens) e perdeu muito material que iria ser de grande utilidade àstropas alemãs. Este acontecimento só foi tornado público na Grã-Bretanha alguns meses mais
tarde22.

 22 POPE & WHEAL, 1995, 462

Após a Batalha de Jassin, a 18/19 de janeiro de 1915, uma vitória alemã que, no entanto, lhe custou baixas importantes, Lettow-Vorbeck decidiu que deveria evitar confrontações numa escala tão grande e que seria necessário aplicar uma tática diferente. Passou a desenvolver uma campanha defensiva destinada a obrigar os Britânicos a empenharem um máximo de tropas na África Oriental. Dividiu as suas forças em três grupos a operarem nas regiões norte, oeste e sudoeste da colónia. O quartel-general situava-se em Tabora, onde passava a linha central de caminho de ferro. Apesar do bloqueio imposto à colónia pelos Britânicos, a população continuou a ser abastecida da generalidade dos bens essenciais, devido a uma impressionante capacidade de improvisação e produção de produtos alternativos.

A Força Expedicionária Indiana, sob o comando do general Wapshare, juntamente com tropas africanas e voluntários europeus, lançou uma ofensiva em meados de 1915, mas a campanha foi um fracasso. Por outro lado, os ataques alemães à Linha do Uganda provocaram a destruição de 32 comboios e 9 pontes, entre maio de 1915 e março de 1916. Em fevereiro desse ano, já liberto da campanha no Sudoeste Africano, o general sul-africano Jan Smuts, assumiu o comando das forças britânicas na África Oriental. Para ali foram enviadas unidades militares da União Sul-Africana e da Rodésia, elevando os efetivos britânicos a quase 30.000 homens. Em março de 1916, foi lançada a "Ofensiva Morogoro" que expulsou os alemães do Norte da sua colónia. A operação foi suspensa em setembro devido ao estado de exaustão das tropas britânicas. Entretanto, forças belgas oriundas do Congo Belga atravessaram a fronteira e capturaram Tabora, a 19 de setembro. O avanço das forças da Rodésia do Norte, uma ofensiva secundária, foi detido pelas tropas alemãs. As táticas defensivas alemãs, as chuvas intensas e as doenças, obrigaram a parar a ofensiva de 1916 e permitiram às forças alemãs retirarem quase intactas para sul do Rio Rufugi. Enquanto se davam estes acontecimentos, os Portugueses lançavam uma ofensiva a sul e ocuparam algumas posições em território alemão, mas a campanha terminou numa retirada inglória e no contra-ataque das forças alemãs a posições portuguesas.

Esta pausa na ofensiva aliada foi aproveitada para a recuperação das tropas, reorganização das unidades militares e reconstrução das infraestruturas, especialmente caminhos de ferro. O general Smuts foi substituído pelo general Hoskins que apenas conseguiu melhorar as linhas de comunicações e as condições em que operavam as tropas. Em maio de 1917, o general sul africano Deventer substituiu o general Hoskins. Deventer relançou a ofensiva em setembro e as forças alemãs retiraram mais para sul. No dia 25 de novembro, as tropas alemãs atravessaram o Rio Rovuma, perto de Negomano, e iniciaram uma campanha de sobrevivência que iria durar um ano. Durante este período, as tropas britânicas, uma força do Gold Coast Regiment, sob comando do coronel Rose, estabeleceram-se em Porto Amélia e o conjunto das forças, portuguesas e britânicas, ficaram sob comando britânico. Registaram-se váriosencontros com as forças alemãs, mas estas conseguiram chegar perto de Quelimane e obter uma vitória na Batalha de Nhamacurra (1-3 de julho de 1918). Após esta batalha, os alemães capturaram importantes provisões e retiraram seguindo um itinerário sinuoso, ao longo do qual tiveram de travar vários combates. Atingiram a fronteira com a África Oriental Alemã, quase totalmente ocupada pelas forças britânicas e belgas, e abandonaram Moçambique a 28 de setembro de 1918, quase dez meses depois de terem entrado naquele território.

Depois de sair de Moçambique, Lettow-Vorbck e a sua já muito reduzida força militar, atravessou o sudoeste da colónia alemã contornando por norte o Lago Niassa e entrou no território da Rodésia do Norte. Receando os seus próximos movimentos, a maior parte das tropas de Deventer tinham ocupado posições defensivas no Norte e apenas cerca de 750 elementos do King's African Rifles perseguiram Lettow-Vorbeck. No dia 13 de novembro de 1918, um estafeta britânico conseguiu fazer chegar ao comandante alemão a notícia do armistício assinado dois dias antes na Europa. Lettow-Vorbeck marchou com as suas tropas para Abercon (a atual Mbala) na Rodésia do Norte, onde foi apresentada a rendição a 25 de novembro de 1918. Lettow-Vorbeck não se rendeu por ter sido derrotado, mas porque o governo alemão na Europa já tinha assinado o armistício. Os sobreviventes destes quatro anos de guerra eram, além de Lettow-Vorbeck, o governador Schnee, 145 europeus, 1.156 askaris e 1.600 carregadores23.

 23 POPE & WHEAL, 1995, 141

Dos acontecimentos nesta região de África, interessa-nos particularmente os que respeitam às tropas portuguesas em Moçambique, especialmente a partir de março de 1916, quando foi declarado o estado de guerra entre Portugal e a Alemanha. Antes desta data, no dia 25 de agosto de 1914, um pequeno posto português de vigilância, em Maziúa, na fronteira norte de Moçambique, isolado a 400 Km da costa, foi atacado de surpresa por forças alemãs e destruído. Os membros da sua guarnição que não fugiram a tempo foram mortos, tal como o comandante do posto, o sargento Rodrigues Costa do serviço de saúde. Curiosamente, o ataque fora liderado por um médico militar, o Dr. Weck. No dia 11 de setembro chegou a Lourenço Marques a explicação dos acontecimentos, dada pelas autoridades alemãs. O ataque fora uma ação punitiva porque, a partir daquele posto, alguns agentes ingleses tentaram instigar os indígenas da colónia alemã à revolta. O governador da colónia alemã apresentou desculpas pelo sucedido e comunicou que tinha mandado instaurar um rigoroso inquérito24. Até 1916, não foram registados mais incidentes dignos de nota.

24 CARVALHO, 2015, 40-41

No dia 10 de abril de 1916, as forças portuguesas ocuparam Quionga, um posto num território com apenas 395 km2, a sul do Rovuma, conhecido como "Triângulo de Quionga", que os alemães tinham ocupado em 1894. Havia uma enorme pressão do poder político, não apenas para a recuperação deste território, mas também para a invasão e ocupação de território alemão a norte do Rovuma. «De Lisboa telegrafavam em 6 de setembro de 1916 aocomandante da expedição, dizendo que o Governo inglês instava pela nossa imediata ofensiva; e em 29 de setembro o comandante das forças britânicas, general Smuts, oficiava ao comandante português sugerindo-lhe o avanço pelo interior.»25 A invasão do território alemão pelos Portugueses abriria mais uma frente na ofensiva de 1916 e isso era uma ajuda preciosa para as tropas britânicas porque exigia maior dispersão das forças alemãs. O estado-maior português planeou avançar para norte ao longo da costa para, na posse de um ou dois portos, poder apoiar mais facilmente o avanço para o interior. Os britânicos anteciparam-se, ocuparam os portos na região sul da costa da colónia alemã e solicitaram ao comando da força expedicionária portuguesa que avançasse diretamente para o interior.

25 MARTINS, 1935, 47

A declaração de guerra estava, sem dúvida nenhuma, a fazer-se sentir na fronteira norte de Moçambique. Depois da ocupação de Quionga pelos portugueses, os alemães atacaram o posto de Namoto (23 de abril), Nhica (8 de maio), Mitimone (12 de maio) e Chivinde (15 de maio)26. No dia 27 de maio de 1916 foi realizada uma primeira tentativa de atravessar o Rovuma, organizando as forças portuguesas em duas colunas. As baixas provocadas pelo fogo de metralhadora vindo da margem alemã levou à suspensão do ataque. Nesta operação, morreram 3 oficiais e 30 praças, ficaram feridos 4 oficiais e 24 praças e foram aprisionadas 6 praças. Os alemães retaliaram com ataques aos postos de Macalogi (9 de junho), Namaca (13 de junho), Unde (15 de junho), Negomano (27 de junho), Nangadi (2 e 31 de julho e 1 de agosto) e Negomano (29 de agosto). No dia 8 de agosto de 1916, um destacamento português atravessou o Rovuma em Maziúa, atacou um posto fronteiriço alemão e fez um prisioneiro. No dia 15 de agosto, os alemães atacaram uma coluna de víveres que se dirigia de Namoto para Nachinamoca, tendo os portugueses perdido a carga27.

26 ARRIFES, 2004, 304
27 ARRIFES, 2004, 305-306

No dia 18 de setembro de 1916, foi iniciada nova travessia do Rovuma. As tropas que participaram nesta operação eram as da terceira força expedicionária enviada a Moçambique, sob o comando do general Ferreira Gil e com o major Azambuja Martins como chefe do estado-maior. A expedição era composta por uma força de 4.865 homens a que se juntaram os sobreviventes da expedição anterior e as tropas mobilizadas em Moçambique. Começaram a sair de Lisboa a 28 de maio e as primeiras forças chegaram a Palma, a 3 de julho. Os Britânicos consideravam que a campanha estava a terminar e o Governo português exigia urgência na invasão da colónia alemã. A 4 de setembro, o governador Álvaro de Castro tinha enviado um telegrama para o comando da força expedicionária, onde afirmava «que o Governo entende será consideravelmente diminuído o nosso prestígio de nação beligerante e prejudicados os nossos interesses de nação colonial, se não realizar, quanto antes, ofensiva contra alemães, invadindo decisivamente o território além Rovuma.»28 Assim, a invasão começou antes que o comando da força expedicionária considerasse que estavam reunidas todas as condições necessárias ao sucesso.

28 MARTINS, 1935, 83-84

Nos dias 18 e 19 de setembro, as principais forças destinadas à invasão da África Oriental Alemã tinham atravessado o Rovuma sem encontrarem resistência. Forçados a abandonar o plano inicial de ocupar posições na costa para, a partir daí, seguirem para o interior, dirigiram-se em direção a Nevala. A 4 de outubro, uma coluna de reconhecimento que se dirigia em direção àquele forte alemão, foi atacada por tropas alemãs em Mahuta, e sofreu pesadas baixas: trinta e dois mortos e catorze feridos. Com os reforços que foram enviados, formou-se uma coluna que devia ocupar o forte alemão e seguir depois para Massasi, mais a norte. A água em Nevala era guardada numa cisterna e provinha de uma ribeira a cerca de 2 Km do forte. A 22 de outubro, uma coluna de reconhecimento sob o comando do major Azambuja Martins, atacou e ocupou as posições que defendiam a ribeira de Nevala, privando o forte do abastecimento de água. O ataque ao forte de Nevala foi feito pela artilharia. No dia 26 de outubro, quando as forças portuguesas já se encontravam todas presentes, avançaram para o forte e ocuparam-no pelas 18H00. Os alemães tinham-no abandonado, mas antes destruíram parte das instalações e envenenaram a água da cisterna29.

29 ARRIFES, 2004, 306-307

Os portugueses tinham conquistado a fortaleza de Nevala e as fontes do seu abastecimento de água. Estas eram mais difíceis de defender e obrigavam a manter uma força isolada da fortificação. Entretanto foram feitos reconhecimentos sobre o itinerário para Massasi. No dia 28 de outubro, o esquadrão de cavalaria que executava o reconhecimento entrou em contacto com as tropas alemãs que conseguiu repelir. Nevala foi então transformada na base para apoiar a força que devia avançar para norte. A 8 de novembro, em Kiwambo, no itinerário para Massasi, foi estabelecido o contacto com as forças alemãs. Os combates provocaram baixas importantes, entre elas o comandante da unidade, major Leopoldo da Silva30. Os alemães não tinham, pura e simplesmente, abandonado o terreno. Pelo contrário, ofereceram uma resistência feroz sempre que tiveram essa oportunidade e, mais importante, passaram à ofensiva.

30 ARRIFES, 2004, 307

No dia 8 de novembro, quando se deu o encontro entre forças portuguesas e alemãs em Kiwambo, os alemães atacaram o posto português de Mahuta, no itinerário que conduzia a Nevala e onde se tinha verificado o primeiro confronto importante entre forças portuguesas e alemãs, depois da passagem do Rovuma, a 4 de outubro. O novo comandante da coluna que se dirigia para Massasi, perante as movimentações inimigas, pensou que os alemães iriam atacar Nevala e retirou para aquele posto. Tal como os portugueses tinham feito, os alemães começaram por conquistar as fontes de água a Nevala, o que aconteceu no dia 22 de novembro. As patrulhas portuguesas não detetaram o avanço das tropas alemãs e o ataque foi lançado de surpresa. Tratou-se de um combate renhido, por vezes de luta corpo a corpo. Os sobreviventes fugiram em direção ao Rovuma, outros, como o tenente Montanha, foram aprisionados. O abastecimento de água a Nevala foi cortado31.

31 MARTINS, 1935, 157-159

FFFFFE9


De 22 a 28 de novembro, os alemães bombardearam os portugueses sitiados em Nevala. Se os bombardeamentos não provocaram muitas baixas (1 segundo sargento, 1 soldado europeu e 3 soldados indígenas), teve pelo menos o efeito de desmoralizar as tropas. Por outro lado, a falta de água começava a fazer-se sentir de forma dramática. De Mahuta saiu uma coluna, no dia 28, sob o comando do capitão António Benedito de Azevedo, para ajudar os sitiados, mas o seu avanço foi barrado por uma força alemã, a cerca de 8 Km de Nevala. Quando começaram a faltar as munições à coluna de socorro, o capitão Azevedo decidiu regressar a Mahuta32. A impossibilidade de continuar a resistir no forte de Nevala levou o comandante das forças ali presentes a tomar a decisão de retirarem. Na noite de 28 de novembro, pelas 22H00, conseguiram abandonar o forte sem serem notados e fugiram em direção ao Rovuma em pequenos grupos dispersos. Nesta retirada, morreu um soldado indígena e foram aprisionados 14 militares europeus33. Os alemães reocuparam Nevala e as tropas portuguesas procuraram chegar rapidamente ao território moçambicano.

32 MARTINS, 1935, 167-170
33 ARRIFES, 2004, 308

A ofensiva portuguesa na África Oriental tinha sido um fracasso e os alemães iam agora passar à ofensiva. Nos meses que se seguiram, a situação inverteu-se completamente. Os alemães recuperaram várias posições que os portugueses ainda procuravam manter a norte do Rovuma, atravessaram o rio e, no dia 1 de dezembro, atacaram Nangadi e uma série de outros pequenos postos com a sua artilharia. As tropas portuguesas que se encontravam em Nangadi e nos outros postos retiraram mais para sul. Só no final do mês de dezembro, os portuguesesvoltaram a reocupar esses postos. Até agosto de 1917, os alemães atacaram várias posições portuguesas. Com a chegada das tropas britânicas a Porto Amélia, os alemães regressaram ao seu território34. Contudo, atacariam em Moçambique ainda nesse ano.

34 ARRIFES, 2004, 308-309

FFFFF10

No dia 21 de novembro, Lettow-Vorbeck partiu de Nevala com 300 soldados europeus, 1.700 askaris e cerca de 3.000 carregadores. O seu objetivo era o posto português de Negomano. No dia 25 atravessou o Rovuma e atacou o posto português que estava quase desprovido de trabalhos defensivos. As tropas portuguesas estavam alertadas por informadores indígenas e, nesse sentido, também receberam uma nota de um oficial britânico. Pelas 12H00, os alemães lançaram um violento ataque. As forças portuguesas foram completamente derrotadas. O seu comandante, major Teixeira Pinto, foi mortalmente atingido durante o ataque. No fim do combate, os soldados e sargentos foram libertados. O mesmo não sucedeu aos oficiais, que se recusaram a assumir o compromisso de não voltarem a lutar contra o inimigo35.

35 FERREIRA MARTINS, 1935, volume 2, 174-176

O ataque a Negomano foi o primeiro de uma série que iria permitir a sobrevivência dos alemães em Moçambique, até 28 de novembro de 1918. No dia 2 de dezembro, atacaram e ocuparam Nanguar. De 3 a 8 de dezembro, atacaram as posições na Serra Mekula. É verdade que o terreno era propício à defesa, mas as forças portuguesas estavam em nítida inferioridade numérica e com escassez de munições. Não deixaram, no entanto, de oferecer uma tenaz resistência, de tal forma que a sua ação mereceu referências elogiosas dos alemães. Este facto relevante na ação das tropas portuguesas em Moçambique só foi realmente possível devido à ação de comando do capitão Francisco Curado. Nos princípios de junho, Lettow-Vorbeck passou para sul do rio Lúrio com o objetivo de capturar mantimentos e munições. Nos dias 1 a 3 de julho de 1918, foi travada a Batalha de Nhamacurra, cerca de 40 Km a norte de Quelimane, com a finalidade de se apoderarem dos importantes depósitos de abastecimentos ali existentes. Foram derrotadas as forças portuguesas e britânicas. Os alemães ocuparam a fábrica e a estação de caminho de ferro e apoderaram-se de quase todos os géneros alimentares e munições36.

36 ARRIFES, 2004, 309-310

FFFFF11

Depois de Nhamacurra, Lettow-Vorbeck dirigiu-se para norte e abandonou o território de Moçambique a 28 de setembro de 1918. No período em que atravessou o norte de Moçambique, cerca de 10 meses, nem portugueses nem britânicos conseguiram deter o seu corpo de tropas. Os portugueses tinham lançado a sua ofensiva sem o entusiasmo e a força moral necessária a este tipo de operações. Mais do que a falta de recursos, falhou o estado físico e moral das tropas portuguesas porque não estavam preparadas para esta guerra, mas falhou também a capacidade de manter o apoio necessário à continuidade das operações.

AS FORÇAS EMPENHADAS NO CONFLITO

Os recursos humanos são os mais importantes de todos os que são utilizados em combate. São os únicos recursos que têm vida, medos e motivações, que podem agir por vontade própria, que podem utilizar todos os outros recursos, que os utilizam melhor ou pior consoante a sua preparação física, técnica e moral. Claro que, desprovidos de outros recursos nem podem ser considerados combatentes e a realidade é que nos teatros de operações modernos há combatentes e não combatentes, mas todos contribuem para o desenrolar das operações. Muitas pessoas estão no terreno onde passam as tropas e, cada vez com maior frequência, onde se desenrolam os combates. Diariamente observamos essa situação nas notícias sobre o conflito no Médio Oriente. Em África, no início do século XX, poucas ou talvez nenhumas notícias tinham a ver com as populações que sofreram as consequências da guerra.

Comecemos pelas forças militares e sigamos o seguinte percurso: África Ocidental, Angola e Sudoeste Africano e África Oriental.

As tropas coloniais em África eram, na generalidade dos casos, tropas africanas. Na África Ocidental, os Britânicos dispunham da West African Frontier Force, uma força dependente do Colonial Office, com cerca de 8.000 soldados da Gâmbia, Serra Leoa, Gana e Nigéria. Este último território fornecia a maior parte dos homens. O enquadramento das tropas era feito por cerca de 400 oficiais e sargentos britânicos. Esta força, tal como outras em África, estava principalmente vocacionada para o controlo da situação interna das colónias e vigilância das fronteiras. Não estava preparada para lançar uma ação ofensiva sobre os territórios alemães. Nem, provavelmente, estaria preparado para tal, o West African Regiment da Serra Leoa, apesar de depender do War Office. O grau de preparação não era, portanto, o mais adequado a um conflito com forças externas. Durante a guerra, a WAFF incorporou cerca de 70.000 homens.

Os Franceses, por sua vez, também não tinham uma preparação muito superior à dos Britânicos, embora não deixassem de fazer uma larga utilização das tropas africanas nos teatros de operações da Europa e Médio Oriente. Em 1914, quando a guerra começou, a França tinha em África várias unidades militares formadas por tropas africanas e com enquadramento europeu, embora em menor grau que os Britânicos. Para além destes homens, a França recrutou mais 175.000 e, na generalidade, fê-lo compulsoriamente. E, também aqui, não foram muito diferentes dos Britânicos, embora estes declarassem que só utilizavam voluntários. A diferença poderá encontrar-se sobretudo na brutalidade dos métodos coercivos aplicados sobre as povoações ou sobre os líderes africanos que não desejavam cooperar. Ao enviar grande número de tropas para fora do continente, muitosafricanos deslocaram-se para as colónias britânicas onde, pelo menos, tinham a perspetiva de não serem enviados para um teatro de operações longínquo.

Os Alemães não tinham forças militares na Togolândia. Ali, existia uma polícia paramilitar, a Polizeitruppe37, de 152 homens, complementada com 416 polícias locais e 125 guardas de fronteira, quase todos armados com carabinas Jàger modelo 1871. No entanto, como vimos no combate travado na margem do rio Chra, foram os alemães que causaram maior número de baixas aos invasores. Dentro das suas possibilidades, as forças (não militares) alemãs cumpriram bem a sua missão. Nos Camarões, pelo contrário, existia uma força armada colonial, a Schutztruppe38, formada por tropas africanas, os askaris, enquadrados por oficiais e sargentos alemães. Defender os Camarões contra um inimigo externo, era uma tarefa para a qual estas tropas não estavam nem equipadas, nem treinadas. A sua missão era a de proteger os colonos brancos, manter a ordem e reprimir a escravatura. No início da guerra, a Schtztruppe tinha um efetivo de 1.650 askaris e 205 oficiais e sargentos alemães39.

37 FARWELL, 1986, 23
38 MORLANG, 2014-10-08
39 STRACHAN, 2004, 21

Ao longo da guerra, tal como fizeram os Britânicos e os Franceses, os Alemães recrutaram mais homens para prestarem serviço como combatentes, auxiliares ou carregadores. Nos Camarões, o alistamento era voluntário e o tempo de serviço mínimo era fixado em três anos. No entanto, muitos serviram por mais anos e, com o início das hostilidades, muitos regressaram ao serviço. O mesmo fizeram os colonos alemães. À Schutztruppe juntaram-se as forças da Polizeitruppe e a defesa do território chegou a ser feita por 1.460 europeus e 6.550 africanos. Esta força, muito em especial a Schutztruppe, quando comparada com as dos seus adversários, podia ser considerada uma força homogénea e bem treinada40. O que é certo é que a defesa da colónia dos Camarões foi mantida até ao início de 1916 e, quando os alemães se refugiaram no território de Rio Muni, muitos askaris decidiram segui-los.

40 STRACHAN, 2004, 21-22

No Sudoeste Africano Alemão, a Schutztruppe, cujas tropas combatentes eram brancas, tinha um efetivo de pouco mais de 3.000 homens, mas estes eram todos escolhidos por apertados critérios de seleção. Entre os colonos existiam cerca de 7.000 homens, a maioria dos quais tinha recebido instrução militar41. À semelhança das Schutztruppe das outras colónias, a principal missão desta força era a proteção dos colonos europeus. Isto não significava que as relações entre os colonos e os nativos fossem más, apesar de ainda estar na memória de muitos a repressão da revolta dos Hereros, em 1904, considerada um genocídio. Também existiam africanos no corpo militar do Sudoeste Africano, mas estes, em princípio, só desempenhavam funções auxiliares.

41 FARWELL, 1986, 75

Contra a Schutztruppe do Sudoeste Africano Alemão opôs-se o exército sul-africano, uma força de 50.000 combatentes de origem europeia, apoiada por 33.000 africanos. Este exército era uma mistura de voluntários, tropas regulares e algumas tropas imperiais. A força militar sul-africana era, desde 1912, formada por uma força regular de artilharia e cinco regimentos de infantaria montada, apoiada por uma força em "part-time", a Active Citizen Force (ACF) na qual, todos os homens entre os 16 e os 25 anos eram inscritos e de onde podiam ser escolhidos, no caso de não existirem voluntários suficientes para formar os batalhões de tropas regulares. Os elementos da ACF treinavam apenas 30 dias por ano, durante quatro anos, passando depois à situação de Reserva. Somente aos homens de descendência europeia era permitido servir nas forças militares42. O seu equipamento era em tudo semelhante ao das forças britânicas. A desproporção das forças era nitidamente a favor das tropas da União Sul-Africana e esse facto foi decisivo para a duração da campanha.

42 HAYTHORNTHWAITE, 1992, 297.

No sul de Angola, tropas portuguesas, europeias e indígenas, de Angola e Moçambique, defrontaram-se contra as tropas alemãs. O resultado dos combates então travados não se pode atribuir apenas à melhor preparação técnica das tropas alemãs. No forte do Cuangar, por exemplo, as forças portuguesas foram completamente surpreendidas. Ora, havendo uma situação de guerra, não apenas na Europa, mas na própria região, com um ambiente de desconfiança e forte tensão entre portugueses e alemães, seria absolutamente imprescindível manter uma vigilância apertada de todo o território. Por outro lado, em Naulila, não se compreende inteiramente a forma como as tropas portuguesas retiraram. Sendo de esperar o ataque alemão, e tendo este sido executado com forças que não tinham uma superioridade significativa de efetivos, o resultado terá de ser atribuído não só a erros na liderança das tropas envolvidas, como também do comando das forças portuguesas na região43. A análise qualitativa da liderança não pode deixar de ser feita em qualquer campanha militar. Não basta analisar o grau de preparação dos soldados.

43 FERREIRA MARTINS, 1935, 210.

Na África Oriental, o confronto entre alemães e forças aliadas prolongou-se desde agosto de 1914 a novembro de 1918. Os Britânicos, para além das tropas africanas do King's African Rifles, sob comando de oficiais e sargentos britânicos tal como as tropas da West African Frontier Force, utilizaram nesta região duas Forças Expedicionárias Indianas. Os resultados obtidos com estas últimas foram desanimadores. A ofensiva para a conquista do território alemão só obteve resultados visíveis quando entraram em campo as forças sul-africanas, em 1916. Já liberto do encargo da conquista do Sudoeste Africano, o governo sul-africano enviou um número considerável de homens para a África Oriental Britânica (Quénia) e o comando da totalidade das forças britânicas foi entregue ao general Jan Smuts, militar e político sul-africano. Quando foi necessário aumentar o número de tropas africanas na região, recorreu-se ao recrutamento local, mas também foram enviadas tropas da West African Frontier Force. Os problemas que se levantaram relativamente à sobrevivência das tropas de origens europeia e indiana foram idênticos aos que atingiram as tropas portuguesas, ou seja, falta de preparaçãopara aquele tipo de guerra e para sobreviverem naquele território e elevado número de baixas por doença. As tropas alemãs não deixaram de passar pelas mesmas dificuldades, agravadas pelo facto de não estarem a receber apoio do exterior, mas mostraram uma enorme capacidade de improvisação para obterem medicamentos substitutos dos que era normal importarem da Alemanha. Também não deixaram, sempre que a oportunidade se oferecia, de atacar os postos portugueses ou armazéns de abastecimentos, onde capturavam muito do que necessitavam. Nhamacurra é um exemplo de depósito de diversos bens essenciais às tropas que, em parte, não foram distribuídos por falta de meios para o fazer ou porque, simplesmente, a manobra logística foi mal planeada.

Portugal enviou para Moçambique, entre agosto de 1914 e o final da guerra, quatro forças expedicionárias. Até abril de 1916, excluindo o ataque alemão a Maziúa (25 de agosto de 1914) as tropas portuguesas não tiveram, aparentemente, razões para sofrer baixas, mas a realidade é que, devido a doenças (malária, disenterias e outras doenças características da região) as unidades militares ficaram extremamente debilitadas. Este tipo de problema fez-se sentir em toda a África Oriental e nos Camarões. A Campanha do Togo foi demasiado rápida para permitir avaliar este fator e as características do clima do Sudoeste Africano, completamente diferente dos outros, pouparam as tropas a muitos desses inconvenientes. As praças das forças portuguesas (europeias) enviadas a Moçambique, pertencentes às quatro expedições, mais as praças de origem europeia pertencentes às forças da guarnição da Província, somavam 18.955 homens. Destes, até ao final da guerra, morreram em combate 38 praças e ficaram feridas 60. Isto significa que o número de mortos e feridos em combate não é superior a 0,52 % do total das tropas de origem europeia. No entanto, o número de mortos por doença, no mesmo conjunto de homens, foi de 1938, ou seja, 10,22 %. Este foi o verdadeiro drama para estas tropas.

A situação apresenta-se de forma inversa para os oficiais - 2,4 % de mortos e feridos em combate e 0,62 % de mortos por doença em campanha. Esta disparidade de números deve-se a duas causas. Por um lado, a educação, a informação e os hábitos de higiene ajudaram a evitar as doenças e a trata-las convenientemente. Por outro lado, as comodidades a que tinham acesso, como por exemplo a água mineral engarrafada, evitava (ou diminuía) só por si um dos problemas mais graves, as disenterias44.

44 ARRIFES, 2004, 166-168 E 206.

As tropas indígenas não tiveram, em Angola e em Moçambique, a utilização que seria de esperar num país que reclamava a implantação no terreno há quatro séculos. A realidade é que a implantação da administração portuguesa era muito deficiente o que não facilitava o recrutamento. Em Moçambique, a Companhia do Niassa, que controlava o território onde se desenrolaram as operações, pouco mais fazia que cobrar impostos. Com a reorganização militar do ultramar em 1901, foi prevista a formação de unidades para as quais estavam estipulados efetivos mínimos e máximos de tropas indígenas. Razões orçamentais impediram olevantamento de muitas destas unidades e, desta forma, no início da guerra, existam poucas tropas indígenas com instrução, equipamento e armamento com quantidade e qualidade suficientes para permitirem uma intervenção eficaz dessas tropas45. Apesar de todas as vicissitudes, algumas unidades indígenas tiveram um comportamento exemplar e se melhor não fizeram, tal ficou a dever-se ao desleixo de quem tinha a responsabilidade de os instruir e, acima de tudo, de dar o exemplo. As tropas indígenas que serviram com o capitão Francisco Curado, perante o seu exemplo, ofereceram uma notável resistência aos alemães na Serra Mekula.

45 ARRIFES, 2004, 234-238.

Os alemães utilizaram o mais possível as tropas indígenas e deram-lhes uma preparação militar notável. Os Belgas organizaram uma força militar indígena, enquadrada por oficiais e sargentos europeus, que teve um papel importante na Campanha da África Oriental. Foram as tropas belgas que tomaram Tabora. De igual forma, a preparação das tropas britânicas, embora mais fraca que as dos Belgas ou dos Alemães, não tinha sido descurada. No caso português, como Fortunato Arrifes descreve «os próprios militares metropolitanos, encarregues de dar formação, também não estavam devidamente instruídos em relação a questões tão fundamentais como o manuseio de determinados tipos de armamento46.» Só tardiamente, Portugal começou a formar mais unidades indígenas e, assim, o tempo para a sua preparação foi sempre escasso.

46 ARRIFES, 2004, 242.

Às tropas indígenas, foi reconhecida uma vantagem significativa sobre as tropas europeias: a adaptação ao meio ambiente. Mesmo assim, quando eram enviadas para locais distantes, como aconteceu com as forças britânicas da West African Frontier Force, não deixavam de se ressentir das diferenças climatéricas ou do tipo de alimentação diferente daquele a que estavam habituados. Em Moçambique, o efetivo total de tropas indígenas foi de 10.778 homens. Destes, 329 morreram ou foram feridos em combate (3,05 %) e 209 morreram devido a doença (1,94 %). Não só a situação se apresenta invertida relativamente às praças europeias em termos de percentagem como os valores absolutos das vítimas por doença - 1.963 europeus para 209 africanos - mostram uma diferença significativa mesmo tendo em atenção que as praças europeias eram quase o dobro das praças indígenas.

Não é possível deixar de referir um tipo de recurso humano indispensável na África do início do século XX: o carregador. Manuel de Carvalho cita o sargento Cardoso Mirão que fazia parte da expedição de 1917 a Moçambique: «Não são homens porque não têm nome; também não são soldados porque não têm número. Não se chamam, contam-se. Formam-se a varapau, põe-se-lhes uma carga à cabeça e pronto»47. Estas palavras caracterizam um dos grupos que mais sofreu com a guerra.

47 CARVALHO, 2015, P. 242.

Os carregadores foram amplamente utilizados em África.

FFFFF12

Quando as forças militares de qualquer território se movimentavam para o interior dificilmente dispunham de uma rede viária que permitisse o transporte dos equipamentos e abastecimentos necessários. Nos casos em que existia uma linha férrea, a sua utilização era feita até determinado ponto e depois, à medida que as tropas se afastavam da linha, mais difícil se tornava o transporte de tudo o que era necessário. A utilização de animais era problemática por causa do clima, da forragem e da doença do sono e, dessa forma, tornava-se necessário recorrer à utilização de carregadores. Cada um carregava, por regulamento, trinta quilos que transportavam em marchas longas. Diariamente, estes homens recebiam (se o regulamento fosse cumprido) 830 g de arroz, 1 decilitro de feijão, 50 gramas de peixe seco, 20 gramas de sal e 60 gramas de amendoim48. Na África Oriental, a alimentação que era dispensada aos carregadores não chegava às 1.000 calorias por dia. Isto sucedia quando o serviço por eles prestado podia implicar percorrer mais de vinte quilómetros por dia com um peso que podia chegar aos 30 quilogramas. Não é, portanto, de admirar que as perdas humanas entre os carregadores chegassem a atingir os 20%49. Em muitas situações a comida distribuída de facto já nem era suficiente para as tropas combatentes que tinham direito a uma ração maior e muitos carregadores acabavam por passar fome.

48 ARRIFES, 2004, 332.
49 STRACHAN, 2004, p. 7

As longas marchas, a má alimentação, a exaustão, as doenças e os maus tratos provocaram entre os carregadores um número indeterminado de baixas. Nem sequer é possível saber aocerto quantos carregadores foram utilizados. No Congo, entre 1914 e 1918, a Bélgica terá recrutado, aproximadamente, 260 mil carregadores. Ao todo, durante a guerra terão sido recrutados, na África Central e Oriental, à volta de um milhão de carregadores. Na África Oriental terão morrido cerca de cem mil50.

50 Ana Paula Pires e Richard S. Fogarty, «Africa e a primeira guerra mundial», Ler História (Online), 66 | 2014

A Primeira Guerra Mundial em África atingiu as populações de forma devastadora. Não se tratou apenas do número de mortos ou feridos, dos muitos desaparecidos, dos que ficaram incapazes de voltar a trabalhar. Os impactos económico e social foram enormes. No final da guerra, os povos africanos tiveram ainda de passar por outra provação igualmente mortífera. Os navios que, vindos da Europa, faziam paragem nos portos africanos traziam bens materiais e pessoas e com estas a Gripe Espanhola, uma pandemia que se espalhou por quase todo o mundo e que em África terá causado mais vítimas do que a guerra, mesmo tendo em conta os que morreram nos teatros de operações não-africanos.

Da Primeira Guerra Mundial em África, uma guerra europeia que o imperialismo europeu arrastou para outros continentes, podemos tirar uma conclusão importante e perfeitamente atual: neste mundo globalizado, não existem guerras tão distantes que as possamos ignorar.

 

BIBLIOGRAFIA

AFONSO, Aniceto Henrique, «Portugal e a guerra nas colónias» in ROSAS, Fernando & ROLLO, Maria Fernanda (coords.), História da Primeira República Portuguesa, © 2009, Edições tinta-da-china Lda, setembro de 2010, Lisboa, pp. 287-299, ISBN 978-989-671-051-4.

ARRIFES, Marco Fortunato, A Primeira Grande Guerra na África Portuguesa, Angola e Moçambique (1914-1918), © 2004, Edições Cosmos & Instituto de Defesa Nacional, Lisboa,
2004, ISBN 972-762-254-2.

BRUNSCHWIG, Henry, A Partilha da África, © 1971, Publicações Dom Quixote, Lisboa, maio de
1972.

CARVALHO, Manuel, A Guerra que Portugal quis esquecer, © 2015, Porto Editora, Porto, ISBN 978-972-0-06183-6.

COELHO, Adelino Matos, O expansionismo alemão em África in Revista Militar, II Século - 66° Volume - N° 8/9 - agosto/setembro de 2014, pp. 687-701.

FARWELL, Byron, The Great war in Africa, © 1986, W. W. Norton & Company, New York, 1986,
ISBN 0-393-02369-9.

FERREIRA MARTINS, General Luís Augusto (dir), Portugal na Grande Guerra, 2 volumes, © 1935, Editorial Ática, Lisboa, 1935.

FRAGA, Luís Alves, «Portugal, nem neutralidade, nem beligerância» in AFONSO, Aniceto Henrique (Coord.) & GOMES, Carlos de Matos (Coord.), Portugal e a Grande Guerra 1914-1918, © 2003, Diário de Notícias, Lisboa, 2003, ISBN 972-9335-07-9.

HAYTHORNTHWAITE, Philip, The World War One Source Book, © 1992, Brockhampton Press,
London, 1998, ISBN 1-86019-852-X.

KEEGAN, John Desmond Patrick, The First World War, © 1998, Alfred A. Knopf, New York,
1999, pp. 205-211, ISBN 0-375-40052-4.

LETTOW-VORBECK, Paul Emil von, As Minhas Memórias da África Oriental, © 1920, Évora,
1923.

MARTINS, Coronel Eduardo Augusto Azambuja, Nevala, expedição a Moçambique, Tip. «Minerva», de Gaspar Pinto de Sousa & Irmão, Famalicão, 1935.

MICHEL, Marc, «Combattre en Afrique», in AUDOIN-ROUZEAU, Stéphane & BECKER, Jean-Jacques, Encyclopédie de la Grande Guerre 1914-1918, © 2004, Bayard, Paris, ISBN 2-227¬13945-5.

MORLANG, Thomas: Schutztruppe (East Africa, Southwest Africa, Cameroon), in: 1914-1918-online. International Encyclopedia of the First World War, ed. by Ute Daniel, Peter Gatrell, Oliver Janz, Heather Jones, Jennifer Keene, Alan Kramer, and Bill Nasson, issued by Freie Universitàt Berlin, Berlin 2014-10-08. DOI: http://dx.doi.org/10.15463/ie1418.10469.
PIRES, Ana Paula & FOGARTY, Richard S., «África e a primeira guerra mundial», Ler História [Online], 66 | 2014, posto online no dia 20 Julho 2002 (?), consultado no dia 23 Junho 2016. URL : http://lerhistoria.revues.org/721, visto em 2016-06-12.

POPE, Stephen & WHEAL, Elizabeth-Anne, Dictionary of the First World War, © 1995, Pen & Sword military Classics, United Kingdom, 2003, ISBN 0-85052-979-4.

STRACHAN, Ian, The First World War in Africa, © 2004, Oxford University Press, New York,
2004, ISBN 0-19-925728-0.

THOMPSON, Wayne C. 1978. "The September Program: Reflections on the Evidence". Central European History 11 (4). [Cambridge University Press, Conference Group for Central European History of the American Historical Association]: 348-54, http://www.jstor.org/stable/4545847, visto em 2016-05-24.