O espaço da História

Primeira Guerra Mundial - As Alianças em Confronto

Breves

cronicas3   

Pode adquirir o livro
"Crónica da regência e do reinado de D. João I",
nas seguintes lojas online:
   bertrand2wook2
    almedina2
   

siteantigo

Introdução

Quando a guerra começou, em 1914, foram colocados em confronto dois sistemas de alianças: a Tríplice Aliança e a Tríplice Entente. A primeira englobava a Alemanha, a Áustria-Hungria e a Itália (que se declarou neutral no início do conflito). A segunda era constituída pela França, Rússia e Reino Unido. Nestes dois sistemas estavam presentes todas as Grandes Potências europeias. No decorrer da guerra, outras potências aderiram a cada um destes blocos. Portugal, aliado de Inglaterra, entrou na guerra em 1916.

Ler mais: Introdução

As Guerras da Unificação Alemã

A região da Europa que ficou conhecida como Alemanha era, antes das Guerras Napoleónicas, um território habitado por cerca de vinte e três milhões de habitantes distribuídos por 314 territórios independentes, governados por autoridades seculares ou religiosas. Grande parte desta região estava incluída no Sacro Império Romano-Germânico sob domínio da Casa de Habsburgo. Tratava-se de um território politicamente muito fragmentado e economicamente subdesenvolvido. Para esta última característica contribuía a ausência de um mercado unificado e a uma estrutura social antiquada em que prevalecia o poder feudal.

Ler mais: As Guerras da Unificação Alemã

O Acordo dos Três Imperadores

A Europa e a Alemanha unificada

No dia 18 de Janeiro de 1871 concretizou-se a unificação da Alemanha. Guilherme II da Prússia foi aclamado Imperador e, nesta qualidade, passou a ser designado por Guilherme I da Alemanha. Estava assim criada uma nova entidade política que assumia a supremacia no Continente europeu, qualidade que até aí tinha pertencido à França. A supremacia não significava, portanto, a impossibilidade de ser derrotado num confronto com outra ou outras potências. Se o poder militar da Alemanha era suficiente para enfrentar qualquer das outras potências europeias, já o mesmo não se poderia dizer se confrontada com uma coligação de potências e, muito especialmente, se essa coligação obrigasse a uma guerra em duas frentes, como poderia ser o caso de uma aliança entre a França e a Rússia.

Ler mais: O Acordo dos Três Imperadores